Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

português
Olgária Matos comenta o livro de Eliete Negreiros sobre Paulinho da Viola, que relaciona o músico à tradição ocidental, em especial à genealogia do amor.

how to quote

MATOS, Olgária. Paulinho da Viola: da melancolia e do amor. A genealogia do amor segundo Eliete Negreiros. Resenhas Online, São Paulo, ano 19, n. 221.06, Vitruvius, maio 2020 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/19.221/7741>.


Paulinho da Viola e o elogio do amor (1) é uma reflexão sobre a lírica amorosa das composições de Paulinho, cujo eixo é a separação dos amantes. Neste livro, Eliete Negreiros reavê o mito fundador do amor romântico, formulado pela primeira vez no Banquete de Platão. De início, cada um era um ser por inteiro que, por uma punição divina, é dividido em duas partes. A nostalgia da fusão originária e a busca da unidade perdida constituem uma inquietação permanente, a procurar no Outro o que completa e dá vida.

Conhecido nos tratados médicos antigos como “mal de amor”, a poética de Paulinho, mostra Eliete, revela seus sintomas, suas causas, seus efeitos e remédios. Ou não: “meu mal é um mal de amor / não há remédio que cure a minha dor”. Se paixão é desejo e falta, ele é “intratável”. Tal como no amor proustiano, o amor é uma doença irremediável. Diferem o intratável e o incurável, pois se este é um mal de que ainda não se encontrou remédio e tratamento, o intratável é um mal sem medicação eficaz ou cura vislumbrada, invulnerável a tratamentos ou às luzes da razão.

Sendo metamórfico – eterno, passageiro, feliz e infeliz –, o amor é “doce-amargo”, é um ensinamento de viver porque também arte da liberdade: “Várias canções de Paulinho evocam a liberdade do outro. Ainda que desejando que o outro deseje o seu desejo ele sabe que o outro tem, assim como ele, o direito de sentir o que quer. A profunda percepção da instabilidade de si e do mundo, a constante mutação de tudo [expressam] o sentimento de si e do mundo, os estados interiores são desencadeados pela experiência do mundo e a constante transformação de tudo”.

Nas canções de Paulinho, Eliete acompanha a “genealogia” do amor, como ele nasce, como ele dura e como se rompem seus laços; e, para isso, refere-se a Stendhal em seu Do amor:

“Narrando o nascimento do amor, [Stendhal] fala dos passos de seu surgimento: admiração, prazer, esperança. A esperança faz nascer o amor, mas se ela vier a morrer, o amor, que já nasceu, continuará vivo. É neste descompasso entre esperança e amor que se insere a desilusão amorosa, o tormento do amante”.

Inscrevendo o amor de Paulinho no âmbito do sagrado, Eliete nos mostra que ele é um enigma do corpo e da alma, do espaço e do tempo. Para compreendê-lo, Eliete revisita a tradição do pensamento ocidental que de Safo a Baudelaire, de Aristóteles a Freud, de Ovídio a Paulinho enfrenta as dores do amor. Anômico, transgressivo, a tradição não foi desatenta às devastações que ele causa e se esforçou em conhecer o “homem interior”, seus desejos, impulsos e paixões. Por isso, médicos e moralistas antigos falam da luta entre a matéria e o espírito e da necessidade de compreendê-los a fim de os conter aquém da obra da “contra-natureza” que leva ao sofrimento e à tristeza. Indicando que o amor terminado é interminável, Eliete interpreta o samba Nada de Novo de Paulinho:

“A dor é um modo de perpetuar algo que já acabou, de torná-lo ainda vivo pela continuidade do sofrimento e, talvez por isso, o sofrimento seja tão caro aos corações amantes, pois é um culto àquele amor”.

A autora reconhece nas canções de Paulinho a dimensão de “empatia” que se encontra no amor, esse pathos comum que une o Eu e o Outro fazendo dele um outro nós-mesmos. Risco considerável, então, a possibilidade da perda. Talvez por isso – e porque o amor é experiência temporal – não possa existir amor feliz. Mas o trabalho de Eliete busca e encontra em Paulinho uma ars amatoria e uma arte-de-viver. Sentimento de plenitude e esperança de eternizar o instante, o amor, nos cantos de Paulinho, duradouro ou breve, toca delicadamente o absoluto.

Eliete Negreiros
Foto divulgação

notas

NE – O presente texto é prefácio do livro comentado: NEGREIROS, Eliete Eça. Paulinho da Viola e o elogio do amor. Prefácio de Olgária Matos. São Paulo, Ateliê Editorial, 2016.

1
Eliete Eça Negreiros fez doutorado em filosofia sobre as canções de Paulinho da Viola, base para o livro em questão: NEGREIROS, Eliete Eça. Paulinho da Viola e o elogio do amor. Tese de doutorado. Orientadora Olgária Chain Féres Matos. São Paulo, FFLCH USP, 2012.

sobre a autora

Olgária Chain Féres Matos é graduada em Filosofia pela Universidade de São Paulo (FFLCH, 1970), mestre em Filosofia na Université Paris 1 (Panthéon-Sorbonne, 1974) e doutora em Filosofia pela Universidade de São Paulo (FFLCH, 1985). Atualmente é professora titular aposentada da Universidade de São Paulo e professora titular no Departamento de Filosofia da EFLCH Unifesp, onde coordena a Cátedra Edward Saïd.

comments

resenha do livro

Paulinho da Viola e o elogio do amor

Paulinho da Viola e o elogio do amor

Eliete Eça Negreiros

2016

221.06 livro
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

221

221.01 língua

Basta! Sem essa de feiquinius

Para que neste 1º de Maio nossa história não se torne um grande 1º de Abril...

Sylvia Ficher

221.02 revistas de arquitetura

O fim das revistas periódicas impressas de arquitetura no Brasil

Fabiano Sobreira

221.03 livro

Uma narrativa ampliada sobre Brasília

Rafael Antonio Cunha Perrone

221.04 revistas de arquitetura

Será mesmo o fim das revistas de arquitetura no Brasil?

Fernando Mungioli and Evelise Grunow

221.05 livro

Como nascem os crocodilos?

Vida e obra de Arrigo Barnabé segundo ele próprio

Felipe Melhado

221.07 livro

Prostituição, segregação urbana e direito à cidade em Campinas

João Soares Pena

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided