Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

português
O crítico Tadeu Chiarelli comenta o livro Metrópole à beira-mar – o Rio moderno dos anos 20, de Ruy Castro, que trata das manifestações modernistas na capital brasileira de então.

how to quote

CHIARELLI, Tadeu. A cena carioca dos anos 1920. Sobre a contribuição de intelectuais e artistas para a arte e a cultura do Brasil. Resenhas Online, São Paulo, ano 19, n. 219.02, Vitruvius, mar. 2020 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/19.219/7656>.


Terminei de ler Metrópole à beira-mar – o Rio moderno dos anos 20, de Ruy Castro, publicado pela editora Cia. das Letras em 2019.

Posso estar enganado, mas a impressão que o livro traz é a de que Castro se adiantou a provar que o Rio de Janeiro já era moderno antes de São Paulo e da Semana de Arte Moderna de 1922, antecipando-se, assim, às homenagens pelos 100 anos da dita Semana (para os distraídos, ocorrida em São Paulo em 1922).

Durante a leitura, essa impressão é confirmada por um discreto, mas sempre presente, “porquemeunfanismo” do Rio, acentuado por um detalhe: o restante do Brasil parece simplesmente não ter existido naquele período. Quando surge alguma citação a eventos e/ou personagens de fora da cena carioca, tudo é tratado com certo desdém elegante e ponto (o tratamento dado à Semana e seus protagonistas paulistanos dá bem o tom desse viés).

A meu ver, parece existir uma dificuldade nesta preocupação: a de compreender que, se a modernidade no Brasil – entendida como transformação geral da cultura como um todo –, se iniciou, de forma bastante problemática, bem antes de 1922 (não somente no Rio, mas em todo o país), o modernismo (enquanto movimento artístico, literário, musical etc., direcionado à transformação do campo da cultura, digamos, “erudita”) teve seu início simbólico marcado pela Semana. Se esse simbolismo foi construído após o evento, este é um problema historiográfico que vem sendo desconstruído já faz algum tempo por alguns estudiosos, não só de outros estados, mas de São Paulo também.

Igualmente me chamou a atenção o fato de que, no livro, o Rio de Janeiro dos anos 1920 é retratado como o território da criatividade e da alegria, apenas. As mazelas da cidade, bom, as mazelas – que, com certeza, complementariam o panorama traçado – ficaram de fora.

Mas não são nesses aspectos que reside o interesse maior do livro. O que transforma Metrópole à beira-mar em uma publicação indispensável a todos que se interessam pela cultura no Brasil no início do século passado, é sua capacidade de arrolar, com graça e humor, uma série imensa de participantes da cena carioca dos anos 1920, desde estrelas ainda brilhantes (Carmen Miranda, Procópio Ferreira, Pixinguinha, Ismael Nery, Villa-Lobos e outros) até figuras hoje absolutamente anônimas, mas não menos excepcionais (Roquete-Pinto, Gilka Machado, Bidú Sayão, Álvaro Moreyra e outros).

Terminada a leitura, fica na mente o reconhecimento de quantos intelectuais e artistas (homens e mulheres) contribuíram para a arte e a cultura do Brasil e hoje, quando muito, se transformaram em nomes de ruas obscuras. Terminada a leitura, surge igualmente a vontade de saber mais sobre eles, estudar mais suas produções. E apenas esse efeito que causa no leitor já valeria o mergulho em Metrópole à beira-mar. Recomendo muito.

nota

NE – texto originalmente publicado na página Facebook do autor.

sobre o autor

Tadeu Chiarelli é professor aposentado da USP e colabora atualmente como professor senior no Programa de Pós da ECA USP. Foi diretor geral da Pinacoteca de São Paulo, diretor executivo do MAC USP e curador-chefe do MAM/SP.

comments

resenha do livro

Metrópole à beira-mar

Metrópole à beira-mar

O Rio moderno dos anos 20

Ruy Castro

2019

219.02 livro
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

219

219.01 livro

Petróleo e urbanismo em Baku

Uma singular articulação histórica

Heliana Angotti-Salgueiro

219.03 cinema

Salve Satanás?

Relações entre religião e Estado no documentário “Hail Satan?”

Caio Guerra

219.04 livro

O livro de Rosa Artigas!

Eros Grau

219.05 filmes

O espaço entre nós: imagem e espaço na narrativa histórica

Sobre os filmes de Marcelo Masagão e José Inácio Parente

Luciana Jobim Navarro

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided