Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

português
O escritor Milton Hatoum comenta a obra de Machado de Assis à luz dos 180 anos do seu nascimento e do significado que tem e pode ter na atualidade.

how to quote

HATOUM, Milton. Machado de Assis, 180 anos. Resenhas Online, São Paulo, ano 18, n. 211.01, Vitruvius, jul. 2019 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/18.211/7402>.


O tempo é cruel também com a literatura. Muitos livros são esquecidos quando ainda estão engatinhando; alguns, incompreendidos ou mal lidos quando publicados, ressuscitam uns anos ou décadas depois. Outros, os clássicos, serão lidos por séculos.

Das várias definições de “clássico”, escolho a de Jorge Luis Borges: “Clássico não é um livro que necessariamente possui estes ou aqueles méritos; é um livro que as gerações humanas, premidas por razões diversas, leem com prévio fervor e misteriosa lealdade”.

A obra ficcional de Machado de Assis – principalmente os romances e contos publicados a partir de 1880 – é lida “com prévio fervor e misteriosa lealdade”. O prazer da leitura está implícito na definição do escritor argentino; de fato, dificilmente não se lê com enorme prazer Memórias Póstumas de Brás Cubas, Dom Casmurro, Esaú e Jacó... Ou os contos Pai Contra Mãe, A Causa Secreta, O Espelho, O Alienista, Um Homem Célebre, Singular Ocorrência e tantas outras obras-primas do Bruxo do Cosme Velho. Mas as ficções de qualidade não se esgotam no mero prazer da leitura. O leitor atento percebe que Machado não se rendeu à facilidade nem à improvisação. Foi, ao contrário, um dos escritores mais exigentes, e ainda dos mais cultos. A erudição, a imaginação, a capacidade inventiva, a leitura crítica do país e de seu tempo e, claro, sua própria experiência de vida foram decisivas em sua escrita de ficções sofisticadas sob todos os ângulos: estético, social, político, psicológico, histórico.

Quando seguimos a sinuosa trajetória de vida de Brás Cubas, como não pensar no Brasil de hoje? Brás, o ocioso ricaço “liberal” na sociedade escravagista do Segundo Reinado, não difere muito de certos liberais da “nova política” e da maioria dos partidos, sejam estes velhos, novos ou mesmo novíssimos. O narrador das Memórias parece estar vivo, usando a roupagem do nosso tempo, ou “a casca”, como ele diz. E vivos estão também o mandonismo, os privilégios e o clientelismo de uma sociedade patriarcal que insiste no atraso e é fiel à brutalidade e às iniquidades herdadas da escravidão, tanto tempo depois da Abolição e do advento da República.

Machado, ao dar forma estética a tudo isso, recorreu a narradores na primeira pessoa, geralmente situados no vértice do poder e da pirâmide social, quase todos dotados de um tom que alterna ironia, atrevimento e escárnio. Lidos na direção certa, os romances machadianos desmascaram o rosto monstruoso das relações sociais, políticas e econômicas e, nesse sentido, expressam a verdade das relações humanas, atributo indispensável à literatura.

Mas a obra do Bruxo também transcende questões e particularidades locais. A alucinação, o delírio e a loucura nem sempre se vinculam à classe social dos personagens: são sintomas do lado mais obscuro, irracional e bestial do ser humano. Um dos exemplos mais notáveis é a crueldade sádica ou “alguma coisa parecida com a pura sensação estética” do personagem Fortunato no conto A Causa Secreta.

E há ainda um olhar zombeteiro ao positivismo, ao determinismo e à ideia ufanista, quase fanática do progresso, palavra estampada na bandeira nacional.

Acima de tudo e de todos no Brasil de sua época, Machado era um pessimista. Também por isso foi muito criticado por vários de seus contemporâneos. Mas o pessimismo do escritor era fruto de uma leitura e reflexão correta e sem ilusões da realidade e do processo histórico, não apenas brasileiro.

Se o Ministério da Educação fosse bem menos obtuso, distribuiria aos estudantes e professores da escola pública um livro com uma seleção de contos de Machado. Mas seria pedir o impossível a quem acredita que o nosso planeta é plano, que o aquecimento global é uma ficção e que é um desperdício investir em ciências humanas e artes. Machado trataria com escárnio essa bestialidade em série. E nem assim os obtusos entenderiam...

nota

NE – Publicação original: HATOUM, Milton. Machado de Assis, 180 anos. O Estado de S. Paulo, Caderno 2, São Paulo, 21 jun. 2019.

sobre o autor

Milton Hatoum, arquiteto formado na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAU USP, é escritor, autor de um Relato de um certo OrienteDois IrmãosCinzas do Norte e Órfãos do Eldorado e diversos outros livros, ganhadores do Jabuti e outros prêmios importantes.

comments

211.01 livros
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

211

211.02 flip 2019

Paraty em chamas

Do lado de fora da Flip

Abilio Guerra

211.03 exposição

O Oxímoro de Antonio Saggese

Fabrício Reiner

211.04 livro

Quando o mundo acabar vou estar flutuando com um paraquedas colorido

A contemporânea cosmovisão ameríndia de Ailton Krenak

Abilio Guerra

211.05 livro

A casa e o homem segundo José Lins do Rego

José Roberto Fernandes Castilho

211.06 livro

Os equilibristas

O fascínio tecnológico de Mario Biselli e Artur Katchborian

Francesco Perrotta-Bosch

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided