Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

my city ISSN 1982-9922

abstracts

português
Nabil Bonduki, arquiteto e professor da FAU USP, comenta a atividade ilegal da família Bolsonaro no mercado imobiliário do Rio de Janeiro, usando recursos obtidos com a “rachadinha”.

how to quote

BONDUKI, Nabil. Os ilegais negócios imobiliários dos Bolsonaros. Minha Cidade, São Paulo, ano 20, n. 237.05, Vitruvius, abr. 2020 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/20.237/7717>.



Muito antes do 02 e do 03 terem criado e alimentado a fábrica de fake news que elegeu Jair Bolsonaro, integrada posteriormente ao Gabinete do Ódio, Flávio Bolsonaro, o 01, já patrocinava um esquema imobiliário ilegal, o qual o presidente também quer abafar ao intervir na Policia Federal.

Uma parte da história é conhecida desde outubro de 2018. O então deputado confiscava, em média, 40% dos salários dos servidores que ele indicava em seu gabinete na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. O operador do esquema era o assessor Fabrício Queiroz, um ser invisível que o competente ex-juiz Sergio Moro, em 479 dias como Ministro da Justiça e tendo sob seu absoluto controle a Polícia Federal, foi incapaz de localizar para que prestasse um depoimento.

O que não se sabia era o destino dessa dinheirama, fora o depósito de R$ 24 mil feito na conta da esposa do seu amigo presidente. O mistério foi revelado na reportagem “Pica do tamanho de um cometa”, do Intercept Brasil (1). Ela mostra que a “rachadinha” do 01 financiou a construção ilegal de prédios promovidos pela milícia no Rio de Janeiro, entre os quais os dois que desabaram na comunidade de Muzema, em abril de 2019, provocando 24 mortes e 10 feridos.

“Rachadinha" é um crime praticado há décadas em grande parte dos gabinetes parlamentares em todo o país. O que não é comum é o dinheiro resultante do esquema ser investido em negócios imobiliários de organizações criminosas com o objetivo de gerar lucro.

O Intercept revelou detalhes de uma investigação sigilosa do Ministério Público do Rio de Janeiro mostrando que Queiroz repassou grande parte do dinheiro recolhido ao ex-capitão do Bope, Adriano da Nóbrega, apontado como chefe do Escritório do Crime, uma milícia especializada em assassinatos por encomenda. Nóbrega, envolvido com o extermínio de Marielle Franco, estava foragido em um sítio de um vereador bolsonarista na Bahia e foi morto em fevereiro, com indícios “queima de arquivo”.

Sua organização criminosa atua em Rio das Pedras e Muzema, favelas localizadas em Jacarepaguá (zona oeste do Rio de Janeiro), onde vivem mais de 80 mil pessoas. Na ausência de qualquer controle estatal, elas cobram “taxas de segurança”, ágio na venda de botijões de gás, garrafões de água, exploração de sinal clandestino de TV e atuam, cada vez com maior intensidade, em negócios imobiliários ilegais, altamente rentáveis.

Segundo o Intercept, documentos sigilosos e dados levantados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, que cruzou informações bancárias de 86 pessoas suspeitas de envolvimento no esquema, mostram que Flávio Bolsonaro financiou e lucrou com a construção ilegal de prédios, erguidos pela milícia usando dinheiro público. Foram identificados 438 transferências e depósitos nas contas de Queiroz, totalizando cerca de R$ 7 milhões entre os anos de 2014 e 2017. Não por acaso, os advogados do senador já pediram por nove vezes que o procedimento seja suspenso.

Os edifícios foram construídos pelas empresas São Felipe Construção Civil Eireli, São Jorge Construção Civil Eireli e ConstruRioMZ, em terrenos grilados, sem licenciamento municipal e sem o acompanhamento técnico requerido por lei. As construtoras teriam sido registradas, segundo o MP, em nome de “laranjas” do Escritório do Crime e os recursos para as obras chegariam através de repasses feitos por Nóbrega a esses “laranjas”.

As atividades imobiliárias das milícias são cada vez mais sofisticadas. Evoluíram da grilagem de glebas, venda de terrenos e aluguel ou venda de moradia obtidas pela expulsão de moradores para a construção de edifícios, com venda financiada de apartamentos. Essa modalidade, no entanto, requer um significativo capital para se viabilizar, pois eles não podem contar com o financiamento de instituições oficiais, dada a informalidade dos empreendimentos. O autofinanciamento requeria outra fonte de recursos e para isso os recursos da rachadinha caíram como uma luva.

Os detalhes desse lucrativo esquema montado pelo Escritório do Crime para promover o boom de verticalização em Rio das Pedras e Muzema, como a ligação de Nogueira com as empreiteiras e a fonte do financiamento, foram obtidos pelos promotores através da quebra de sigilos telefônicos e telemáticos dos integrantes do grupo paramilitar, possibilitados pela investigação sobre a execução de Marielle Franco.

Dessa investigação fica claro, uma vez mais, o envolvimento do clã Bolsonaro com inúmeros personagens envolvidos com a execução de Marielle, a relação da rachadinha do 01 e de Queiroz com o financiamento dos negócios imobiliários da milícia e a necessidade de o presidente controlar a Polícia Federal para estancar as investigações da família.

Procurado pelo Intercept para comentar as acusações, Flávio Bolsonaro não se manifestou.

nota

NE – Publicação original do artigo: BONDUKI, Nabil. Os ilegais negócios imobiliários dos Bolsonaros. Folha de S.Paulo, São Paulo, 27 abr. 2020 <https://bit.ly/3585T5z>.

1
RAMALHO, Sérgio. Pica do tamanho de um cometa. Intercept Brasil, Rio de Janeiro, 25 abr. 2020 <https://bit.ly/3bTRNHD>.

sobre o autor

Nabil Bonduki é professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAU USP.

comments

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided