Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
David Barragán, fala sobre o Al Borde: surgido em 2007, o escritório equatoriano é considerado referência no uso de métodos de projetos participativos em conjunto com comunidades periféricas.

english
David Barragán, talks about Al Borde: emerged in 2007, the office is considered a reference in the use of participatory project methods in conjunction with peripheral communities.

español
David Barragán, habla sobre Al Borde: surgió en 2007, la oficina ecuatoriana se considera una referencia en el uso de métodos de proyectos participativos en conjunto con comunidades periféricas.

how to quote

PRECIADO VELASQUEZ, Oscar Eduardo. Processos de diversidade nas práticas projetuais. Entrevista David Barragán, Al Borde, Equador. Entrevista, São Paulo, ano 21, n. 081.01, Vitruvius, jan. 2020 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/21.081/7611>.


UEEMEE, Pusuquí, Ecuador, 2011. Arquitectos: Al Borde + Ensusitio, com colaboração de Erika Muñoz, Diego Nuñez, CArolina Rodas, Julián Dávalos & Javier Mera
Foto Karina Barragán / Al Borde

 

Oscar Eduardo Preciado Velásquez: Entendi. Bem, agora o que já perguntei. Qual você acha que é esse maior desafio para as novas gerações que estão saindo agora? Por exemplo, é isso que eu estava lhe dizendo, a partir de sua abordagem como professor em que você se tornou em algum momento, qual você acha que é esse maior desafio?

David Barragán: O maior desafio... Não sei qual o maior desafio que os mais jovens têm agora. Os mais jovens têm um problema: eles, que por exemplo se formam, se formaram há cerca de 5 anos ou mais, acessaram um país que oferecia bolsas de estudo em todo o mundo. A nova geração que se formou há dez anos, desde que o Correa começou até agora, como nunca antes na vida, ele acessou a educação de alto nível em qualquer lugar do mundo. O grande desafio deles é que, a maioria deles, em vez de chegar e procurar opções de trabalho ou produzir, o que eu mais lamentava, é que todos chegam esperando que o Estado lhes dê um emprego e, muitas vezes, podem ficar superqualificados, começam processos de frustração, então acho que um grande desafio que temos, as nossas novas gerações que já tiveram acesso à educação de alto nível é como aplicar todo esse conhecimento no país.

Há uma lacuna muito grande entre o que aprendem e o que podem aplicar, juntamente com o fato de que poucos querem correr o risco de serem independentes, a maioria quer chegar e encontrar um emprego. Em muitos empregos, eles não são contratados porque são superqualificados. E, naqueles lugares que vão contratá-los, não terão o salário que aspiram por sua formação acadêmica e, infelizmente, muitos vão ao ensino, porque é uma plataforma fácil e de baixo risco, onde eles podem praticar, mas não ensinam porque realmente gostam de ensinar.

Então, acho que há um desafio para eles. Somos um mercado muito pequeno. Depois, sempre está o 70% da cidade, que é construída informalmente, mas a maioria não gosta de se envolver, porque o treinamento é sempre uma formação elitista, é assim, no mundo inteiro é assim, a formação é ensinar para a menor porcentagem de humanidade. Então, quem quiser entrar nesses 70% sempre terá espaço e sempre será um desafio para se sustentar economicamente no tempo, mas encontrará opções para agir.

OEPV: Bem, sim, o que vejo é que tanto no Equador quanto em quase todos os países neste eixo têm essa condição, um cenário de construção informal, mas a academia não responde a isso, não dá, digamos o valor e não considera isso um ponto de acionamento, quer dizer, um ponto em que boas experiências de trabalho podem surgir. Não estou querendo dizer, "formalizar a informalidade", mas dar mais um pouco de....

DB: Dignidade.

OEPV: Sim, dignidade pode ser uma boa palavra.

DB: Sim, a academia não está interessada nesse lado e a maioria dos professores também não está interessada. O pensamento sob o qual a academia está estruturada é um pensamento eurocêntrico...

OEPV: Pois é.

DB: E não há nem mesmo retorno. O mais triste é que, mesmo na academia, não há pensamento latino-americano. A maioria dos professores nem se preocupa com esse pensamento; você vê que existe toda essa supervalorização e romance no pensamento eurocêntrico. Agora um pouco mais, agora pelo menos você já pode ver nas universidades que existem estudos de caso, disciplinas de análise ou críticas que são de projetos latino-americanos. Mas quando estudávamos, a América Latina não existia. Somente Luis Barragán no México e Niemeyer no Brasil, isso foi tudo, não havia mais nada quando estudávamos.

OEPV: De fato, foi um pouco para mim, também uma batida, porque o Brasil tem, sem dúvida, uma formação muito eurocêntrica em sua academia e está praticamente um pouco atrás da América Latina, de todo este contexto (América Latina).

comments

081.01
abstracts
how to quote

languages

original: português

outros: español

share

081

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided