Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
David Barragán, fala sobre o Al Borde: surgido em 2007, o escritório equatoriano é considerado referência no uso de métodos de projetos participativos em conjunto com comunidades periféricas.

english
David Barragán, talks about Al Borde: emerged in 2007, the office is considered a reference in the use of participatory project methods in conjunction with peripheral communities.

español
David Barragán, habla sobre Al Borde: surgió en 2007, la oficina ecuatoriana se considera una referencia en el uso de métodos de proyectos participativos en conjunto con comunidades periféricas.

how to quote

PRECIADO VELASQUEZ, Oscar Eduardo. Processos de diversidade nas práticas projetuais. Entrevista David Barragán, Al Borde, Equador. Entrevista, São Paulo, ano 21, n. 081.01, Vitruvius, jan. 2020 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/21.081/7611>.


Interior del comedor de Guadurnal, Esmeraldas, Ecuador
Foto Oscar Eduardo Preciado Velasquez, jan. 2019

 

Oscar Eduardo Preciado Velásquez: Perfeito. Agora, vou perguntar umas coisas um pouco mais ácidas. Como se enquadra o trabalho de Al Borde no contexto do capitalismo equatoriano?

David Barragán: Como se enquadra? Dependendo do lado que você deseja ver. Se você é da direita, pensará que somos hippies e se você é da esquerda, pensará que somos capitalistas. É assim, por exemplo, trabalhamos...

OEPV: (risos) Desculpe interrompê-lo, eu digo por que, porque, por exemplo, vejo duas correntes muito marcadas. Por exemplo, eu estava trabalhando em Guaiaquil por um tempo, e o foco é completamente mais o arquiteto liberal e o capital. Aqui (na serra), vejo um pouco de tudo. Vejo que o arquiteto está muito envolvido nessa parte (o social), por isso lhe falei assim.

DB: Sabemos que toda prática profissional tem uma postura política. Isso está claro.

OEPV: Sem dúvida.

DB: Sem dúvida. Se você for economista, arquiteto, artista, todos temos uma posição política na qual exercemos nossa profissão. Nós temos uma busca por esse bem comum e existem projetos que nos interessam trabalhar diretamente. Mas não é que trabalhemos apenas em projetos de desenvolvimento social. Também trabalhamos em projetos privados, agora estamos trabalhando em projetos comerciais. Em vez disso, o que temos entendido ao longo do tempo é que estamos interessados em trabalhar com pessoas que querem se arriscar conosco, com pessoas que querem ser nossas cúmplices, com pessoas com quem podemos entender até onde podemos ir além e isso é independente se construirmos uma casa particular, um restaurante ou um centro comunitário, porque pode haver uma comunidade que não está interessada em ir além, não trabalhamos mais com eles, é isso. Enquanto a cafeteria que estamos fazendo, o cara está completamente disposto a explorar tudo conosco, na realidade, é mais uma busca de cumplicidade com a pessoa com quem vamos trabalhar. É mais uma questão...

Nós não nos movemos dentro deste pensamento como negócio. Nosso pensamento é mais sobre relacionamentos humanos, quero dizer, tem que haver muita cumplicidade com o outro, porque inevitavelmente o que fazemos, é muito difícil encontrar referências quando se fala com o cliente. Propor para o cliente sua casa de fim de semana nos arredores de uma cidade a duas horas de Quito, ou fazer pequenos cubículos apenas onde os colchões entram e os quartos estão pendurados no teto, é porque realmente já estamos muito próximos um do outro e podemos maximizar seu modo de vida, seu modo de ser.

OEPV: Então, essa práxis de Al Borde dispensa um pouco essa abordagem heterodoxa. Não é assim, é mais aberta, é mais permeável aos usuários...

DB: É cem por cento permeável ao usuário, porque independentemente do capital, os projetos precisam ser construídos e existe uma economia. Agora, o que entendemos é que não precisamos apenas de dinheiro e talvez essa seja a diferença.

Porque nossos projetos precisam de mais do que dinheiro para serem realizados. Eles precisam de muita confiança do cliente em nós para que isso se concretize. Porque você, se você vê muitos dos projetos em detalhes, ou seja, competimos em diferentes competições e ninguém dá dinheiro para um projeto nosso em competição. Somente quando são construídas as pessoas acreditam. Participamos há pouco numa imobiliária, um concurso coletivo de habitação. Não é que tenhamos um problema com o próprio capital. Temos um problema em como a dinâmica ocorre em relação a essa capital. Fomos convidados para um concurso particular para um edifício habitacional de uma incorporadora imobiliária e o que propusemos era um prédio de madeira e cinco andares. Pois, haviam umas dinâmicas urbanas de algumas coisas que nos interessavam aí que conseguimos encontrar. Se for feito, genial, estaríamos felizes em poder fazer essa exploração. Estávamos trabalhando com uma estrutura, árvores completas provenientes de um sistema de remoção de eucalipto, que é uma planta altamente invasiva e replantar vegetação nativa.

OEPV: O que entendi um pouco, algumas das coisas que você me disse é que em grande parte do trabalho seu, a sustentabilidade está muito presente, não quero que isso seja ouvido como um clichê, mas, definitivamente, vejo que em quase tudo o que você me diz está vinculado ao seu trabalho, sempre como a questão da reutilização, a questão de saber de onde vêm esses materiais, não sei se é isso aí...

DB: Sim, entendido pelo senso comum, a partir daí estamos realmente interessados em sustentabilidade. Mas nós somos...

OEPV: Não como uma ferramenta de marketing ou algo assim...

DB: Exatamente, é por isso que somos contra todos os tipos de certificações, é um grande negócio.

OEPV: Claro.

DB: É uma mega negócio o tema das certificações. Estamos interessados no bom senso, o que podemos produzir, o melhor resultado que podemos fazer em um determinado período de tempo, para um determinado cliente com um determinado orçamento e isso também implica que estamos sempre cercados por muitas pessoas, porque estamos entrando em contato com todos os amigos que estão fazendo coisas e produzindo desde todas as áreas. É por isso que os projetos são muito colaborativos.

OEPV: Eu entendo agora. Na sua opinião, qual seria o maior desafio para as novas gerações de arquitetos que estão emergindo de ...? Você, por exemplo, que teve a experiência de ser professor...

DB: Só antes, com essas coisas de capital, por exemplo ... uma coisa. Nós não somos pró-monopólios, por exemplo, na universidade quando você tem aulas de orçamento e todas essas coisas da construção, o que você será ensinado é, que a porcentagem do custo total que entra em mão-de-obra é aproximadamente o 40% e o que eles ensinam é que você deve reduzir ao máximo a porcentagem que vai para a mão de obra. É como uma lógica super padrão que implica que você inevitavelmente buscará em algum monopólio uma resposta para resolver o sistema construtivo e assim construir muito rapidamente.

Estamos interessados na outra equação. Se soubermos que há 100% a ser distribuído entre a compra de materiais para o monopólio que faz todo o possível para pagar o mínimo em força de trabalho na contratação de sistemas para construir o mais rápido possível e favorecer essa tecnologia, esse monopólio, nós trabalhamos com o interesse inverso, os sistemas de construção mais artesanais possíveis que fazem com que a maior quantidade de dinheiro possa ir para a força de trabalho. Para que entendamos que o dinheiro que estamos usando a tempo possa ir para uma microeconomia e consiga ter uma melhor distribuição. Isso é como uma busca, por isso é que toda prática é política e aí temos uma busca muito clara desde o início. Tivemos essa luz muito clara de entender que não é um problema pagar muito pela força de trabalho. No momento em que trabalhamos com materiais locais, o artesanal... (no Equador) ainda é um país em que é muito barato. Mas poderíamos gastar muito dinheiro com o artesanal, em vez do super tecnificado.

OEPV: Então ... o que estou entendendo um pouco seria ... uma arquitetura com consciência desde o início até ... (o fim).

DB: E no caminho ir entendendo o que diabos fazemos e por quê. Sim, mas quero dizer, no começo, já tínhamos alguns princípios, talvez não tão conscientes, mas no começo, tínhamos algumas buscas que estávamos interessados em fazer, ou seja, nossa busca nunca era ... qual é a torneira mais cara que podemos obter ou como conseguimos a torneira do designer mais caro ... não sei, quero dizer, esses nunca foram nossos interesses.

OEPV: Mas, em vez de quem se beneficiou disso (quando digo que benefício não é para esse monopólio) mas quem...

DB: entender como são essas cadeias de consumo e para onde está indo o dinheiro.

OEPV: É muito interessante.

DB: E que veremos em tudo, por exemplo, entendemos que, se movimentarmos dinheiro, é melhor movimentá-lo entre todos os nossos vizinhos, porque nosso círculo será melhor; se fizermos oficinas de construção, não o abriremos para qualquer um, o abrimos para um grupo de amigos íntimos que sabemos que eles administrarão suas oficinas, e então o dinheiro é gasto com quem faz as oficinas que sabemos que algum amigo está produzindo algum material que possui alguma tecnologia. Se vai ser feita a cadeira de um restaurante, X, vamos optar por eles, então sempre procuraremos impulsionar os círculos em que todos trabalhamos, porque acreditamos que sempre cresceremos melhor assim.

comments

081.01
abstracts
how to quote

languages

original: português

outros: español

share

081

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided