Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
David Barragán, fala sobre o Al Borde: surgido em 2007, o escritório equatoriano é considerado referência no uso de métodos de projetos participativos em conjunto com comunidades periféricas.

english
David Barragán, talks about Al Borde: emerged in 2007, the office is considered a reference in the use of participatory project methods in conjunction with peripheral communities.

español
David Barragán, habla sobre Al Borde: surgió en 2007, la oficina ecuatoriana se considera una referencia en el uso de métodos de proyectos participativos en conjunto con comunidades periféricas.

how to quote

PRECIADO VELASQUEZ, Oscar Eduardo. Processos de diversidade nas práticas projetuais. Entrevista David Barragán, Al Borde, Equador. Entrevista, São Paulo, ano 21, n. 081.01, Vitruvius, jan. 2020 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/21.081/7611>.


Esperanza dos Arquitectos, Puerto Cabuyal, Manabí, Ecuador, 2011. Al Borde e Grace Pozo
Foto divulgação [Website albordearq.com]

 

Oscar Eduardo Preciado Velásquez: O que dá origem ao projeto participativo? Por que o Al Borde precisa de se relacionar com o social?

David Barragán: Quando começamos há onze anos, isso não existia, ou pelo menos (não tão divulgado). O design participativo existe desde o mundo é mundo, há um milhão de bibliografias de participação, há muitas experiências sistematizadas e tudo isso, mas quando eu estudava arquitetura, não sei como é agora, mas basicamente era uma abordagem dentro do ensino.

OEPV: Estava nos limites do… (ensino)

DB: Nem mesmo, nem sabíamos que esse limite existia, porque naquela época (em 2007) a internet ainda estava em sua fase primária, pois as plataformas 2.0 estavam apenas começando a funcionar, a disseminação de conteúdo é maior, então nós também até não a entendíamos como parte de uma prática como tal, (não sei), não conhecíamos uma referência que tínhamos visto antes, na universidade não estudávamos isso, não tínhamos como escopo essa bibliografia ou algo assim. Há um antecedente, Pascual, ao trabalhar em uma fundação de habitação emergente, teve esse contato com aquele outro mundo que a arquitetura não alcançava e isso, como de uma maneira ou de outra, inevitavelmente . abriu a cabeça para todos nós. Eu acho que sem isso teria sido ainda mais complexo, digamos, de uma maneira mais difícil. Mas isso meio que tornou essa realidade latente e, como todo mundo nos ensinou ou nos disse, aqui tem algo a fazer, aqui tem um campo, há um espaço, como os arquitetos estão envolvidos e, novamente, assim como o escritório, fizemos sem pensar nisso, entramos na participação sem pensar, não entramos planejando nada, ou seja, não dizemos vamos criar um escritório que trabalhe com participação, porque estamos interessados sociedade e queremos mudar o mundo, não, nada disso.

OEPV: Estava simplesmente acontecendo...

DB: Simplesmente o histórico que Pascual teve do trabalho com voluntários que trabalham com poucos recursos, de moradias emergentes, de gerência, já tivemos algumas ferramentas, nós como arquitetos, para que, quando a Escola Nova Esperanza chegasse, pudéssemos entender essa participação e o trabalho comunitário. A construção participativa é uma contribuição e uma maneira de resolver problemas.

É isso que nos leva a participar da participação; depois, com o tempo, obviamente a conscientizamos e a formalizamos e, de uma maneira ou de outra, vamos, não sei se estou formalizando, a palavra talvez sim, mas já vamos envolvendo mais pessoas, vamos envolvendo sociólogos, vamos envolvendo mais engenheiros, vamos envolvendo mais arquitetos, designers, vamos vendo muitas coisas...

OEPV: Trabalho transdisciplinar...

DB: Exatamente, que nos fornece mais ferramentas para que possamos trabalhar todos os processos a partir da participação e que é uma participação real, porque o problema é que também vimos através do tempo que, no momento em que a participação se torna uma moda. Há uma deturpação gigante.

OEPV: Bem, existem autores que apontam que, agora tudo é participativo, tudo é como antes era a sustentabilidade que tudo era sustentável, agora há um risco (de interpretar mal o conceito), eu até acho que é Jeremy Till quem fala um pouco disso lá fora.

DB: Sim, sim, você pode ver milhares de escritórios em busca de processos de participação, apenas para entrar em uma espécie de onda, exatamente o que explicamos, tudo isso sobre nós ... É simplesmente parte do que fazemos.

comments

081.01
abstracts
how to quote

languages

original: português

outros: español

share

081

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided