Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
O francês Antoine Picon, professor da Harvard Graduate School of Design e teórico preocupado com as múltiplas relações entre a arquitetura e a tecnologia digital, é entrevistado pela dupla de professores brasileiros Gabriela Celani e David Sperling.

english
Antoine Picon, a professor at the Harvard Graduate School of Design and a theorist who is concerned with the multiple relationships between architecture and digital technology, is interviewed by the Brazilian duo Gabriela Celani and David Sperling.

how to quote

CELANI, Gabriela; SPERLING, David. A arquitetura dá significado à vida. Entrevista com Antoine Picon. Entrevista, São Paulo, ano 19, n. 074.02, Vitruvius, jun. 2018 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/19.074/7014>.


Tianjin Binhai Library, China, 2017, escritórios MVRDV + TUPDI
Foto divulgação [Website MVRDV]

Gabriela Celani e David Sperling: Todas as principais universidades estão enfatizando a inovação hoje em dia. Stanford, MIT, Harvard. No GSD vocês têm o programa de mestrado em Design Engineering, de cujo corpo docente você faz parte. Algumas pessoas dizem que essa ênfase é, na verdade, uma forma de preparar a geração dos millennials para ser empreendedora por causa das mudanças no século 21 nos padrões de emprego. Você pode me falar um pouco sobre a motivação da GSD em criar esse programa e descrever seus objetivos e resultados?

Antoine Picon: É um programa interessante porque diz algo sobre todas as formas de ser um projetista. Projetar no limiar da arquitetura e da engenharia, mas também no limiar de projetar coisas e projetar sistemas. Nos próximos anos teremos que redefinir profundamente a educação em projeto. Isso inclui o papel da história e da teoria, que sempre se concentraram nos objetos. Objetos são importantes, mas precisamos encontrar novas maneiras de ampliar o escopo dos alunos para os novos problemas contemporâneos.

GC/DS: Muitos escritórios de arquitetura também enfatizam o empreendedorismo e a inovação. Talvez o melhor exemplo seja a empresa AMO, de Rem Koolhaas, que é uma firma de consultoria geral, mas há muitos outros exemplos, como o The WHY Factory, da MVRDV e da Universidade Tecnológica de Delft, o Open Source Architecture (http: //www.osa.com/studio/LA, Tel-Aviv/Montreal) e o Laboratory for Visionary Architecture – LAVA (Stuttgart, Berlin, Sidney), que se apresentam como escritórios baseados em pesquisa. Você acha que a profissão do/a arquiteto/a como a conhecemos no século 20 está mudando? Como ela será no século 21?

AP: Eu sou um pouco crítico sobre a pesquisa feita por arquitetos porque muitas vezes é [apenas] uma justificativa, na maioria das vezes apresentada pelos arquitetos famosos, e quando você olha para o resultado, eu não acho que é fabuloso, para ser honesto. Para ser um arquiteto de sucesso, você precisa de um discurso, precisa abordar as coisas de uma maneira mais sistemática, e há uma tendência hoje em dizer que isso é pesquisa. Eu não acho que é sempre pesquisa. Certamente, é bom que as pessoas da AMO ou do MVRDV recebam a tarefa de pensar mais a longo prazo, mas sou um pouco cético quanto a isso ser o que transformará a profissão de arquiteto. Mas talvez eu esteja sendo preconceituoso porque sou acadêmico. Mas acho que você não tem tempo, em um grande escritório; você está sempre correndo atrás da questão. O que acontece, com muita frequência, é que não temos tempo para pensar profundamente sobre muitos assuntos. Porque você está correndo o tempo todo. E você está correndo ainda mais se você estiver em um escritório [de arquitetura].

GC/DS: Então, não há conexão entre o programa de Design Engineering da GSD e esses escritórios de arquitetura orientados para a inovação?

AP: Em empresas muito grandes, como a Microsoft, por exemplo, você tem pesquisa. E você tem problemas ligados ao espaço construído e problemas de projeto. Portanto, o projeto é um campo em expansão e precisamos preparar as pessoas para projetar as coisas em uma escala mais ampla do que apenas um edifício.

GC/DS: A arquiteta Amanda Levete recentemente deu uma palestra aqui na GSD e mencionou a necessidade de os arquitetos serem empreendedores.

AP: Eu acho que arquitetura sempre foi ligada ao empreendedorismo. Se você é um/a arquiteto/a de sucesso, acaba contratando funcionários. E você tem que alimentá-los todo mês. Se você tem cem funcionários, isso significa que você precisa ganhar milhões ao ano apenas para pagar seus salários. E há mais e mais grandes empresas de arquitetura. Sem entrar em um discurso sofisticado sobre pesquisa, eu acho que os arquitetos são empreendedores. Uma das diferenças fundamentais entre os empreendedores e a academia é que os empreendedores precisam ser otimistas. Um aluno meu que era um empreendedor e veio fazer seu mestrado me disse isso. Você não pode ser um empreendedor se pensa que o futuro será pior do que o presente. Os acadêmicos tendem a ser pessimistas. Se você é um/a arquiteto/a, mesmo sendo cínico/a como o Koolhaas, você tem que ser um pouco otimista, pelo menos, sobre as possibilidades de você crescer, se desenvolver etc.

GC/DS: Vocês estão preparando os alunos para serem empresários aqui no GSD?

AP: Estou tentando fazer isso promovendo a flexibilidade intelectual, o que requer cultura. Cultura não é uma coleção de receitas estáticas, é aprender a evoluir. História é mudança. Não é algo fixo. O lugar da história numa escola de projeto não se restringe a apresentar exemplos; é fazer pensar em mudanças.

Garage Museum of Contemporary Art, Moscou, Rússia, 2011-2015, arquitetos Rem Koolhaas e Ekaterina Golovatyuk
Foto divulgação [Website OMA]

comments

074.02
abstracts
how to quote

languages

original: português

outros: english

share

074

074.01

Uma conversa com o cenógrafo Paulo Mendes da Rocha

Fernanda S. Ferreira

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided