Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Segundo os entrevistadores Lays Lucena Benjamin e Fernando Diniz Moreira, os arquitetos Vinicius Andrade e Marcelo Morettin tem se destacado por fazer uma arquitetura singular e conectada ao lugar, mesmo que adotem pré-fabricados e princípios da montagem.

how to quote

BENJAMIN, Lays Lucena; MOREIRA, Fernando Diniz. A arte da montagem: técnica e lugar em Andrade Morettin. Entrevista com Vinícius Andrade. Entrevista, São Paulo, ano 19, n. 073.01, Vitruvius, jan. 2018 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/19.073/6849>.


Residência R.R., Itamambuca SP, 2006-2007. Escritório Andrade Morettin Arquitetos Associados
Foto Nelson Kon

Lays Lucena Benjamin e Fernando Diniz Moreira: Vocês têm tido a oportunidade de estarem envolvidos com o ensino. Como a experiência prática de projeto e obra dialoga com a forma de ensino? Ela enriquece a forma de ensinar?

Vinicius Andrade: Por trás da sua pergunta está a discussão sobre o papel da academia. Se olharmos do ponto de vista intelectual, fazer história em cima de fatos recentes é muito difícil. Dependemos do distanciamento do tempo, o chamado distanciamento histórico, para analisar. Tem uma anedota que eu acho muito boa. Um professor de história diz que nos anos 1960 saiu uma matéria no jornal, uma capa no jornal com uma foto enorme do avião que caiu com 120 pessoas. Isso é notícia de jornal. Tinham várias matérias e uma chamadinha para um grupo de franceses que estava desenvolvendo estudos para criar contraceptivos para mulheres: isso era história. Então isso acontece com Arquitetura.

Residência R.R., Itamambuca SP, 2006-2007. Escritório Andrade Morettin Arquitetos Associados
Foto Nelson Kon

Óbvio, acho que existe um lado bom do professor ter contato com a prática. Sou um professor que tem esse contato, leciono em uma disciplina onde arquitetura, urbanismo e paisagismo estão integrados. Posso falar muita coisa para os alunos que eles se interessam, vão pesquisar, mas isso eu acho que isso na formação é marginal, acho que a formação é mais sólida quando você tem o conhecimento histórico. Eu acredito nisto. Não é possível fazer uma crítica consistente apenas com fatos atuais. E acho que o mundo acadêmico tem um papel importante porque ele preserva essa inteligência de não aceitar o imediato, então seria legal ter um professor que está na prática porque certamente ele sabe o que está falando quando dá uma aula de projeto. Mas é importante também os professores mostrarem para os alunos como se constrói ou não se constrói a cultura, o sabor, a sabedoria acumulada. Justamente sobre aquilo que a gente já consegue ter um distanciamento necessário. O ambiente acadêmico é o último reduto aonde esse tio de consciência pode ser preservado, acho legal que os alunos tenham acesso ao contemporâneo, mas, por outro lado, se o mundo acadêmico não for conservador nesse sentido, quem será? Nós vamos perder uma certa preciosidade, a de ter essa consciência, vamos ver daqui a vinte anos se esse papo que estou defendendo vai ter consistência ou não.

Residência R.R., Itamambuca SP, 2006-2007. Escritório Andrade Morettin Arquitetos Associados
Foto Nelson Kon

comments

073.01
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

073

073.02

Técnica sem abrir mão da beleza: notas sobre ser arquiteto

Ana Vaz Milheiro

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided