Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Entrevista realizada com o arquiteto Héctor Vigliecca em seu escritório, onde falamos sobre seu selo de publicações, inspirações, obras e como a arquitetura e construção se entrelaçam no espaço coletivo e individual.

english
Interview with the architect Héctor Vigliecca in his office, where we talk about his house, inspirations, works and how architecture and construction intertwine into collective and individual space.

español
Entrevista con el arquitecto Héctor Vigliecca en su taller, donde se habla de sus publicaciones, inspiraciones, obras y como la arquitectura y construcción se entretejen en el espacio colectivo e individual.

how to quote

SOLARES, Jaime. Entre publicações e obras. Entrevista com Héctor Vigliecca. Entrevista, São Paulo, ano 18, n. 071.01, Vitruvius, jul. 2017 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/18.071/6605>.


Perspectiva aérea do Projeto Sol Nascente
Foto divulgação [Acervo escritório Vigliecca & Associados]


Jaime Solares: Recentemente saiu uma pesquisa do CAU que indica que 85% das casas ou reformas feitas no Brasil não são executadas com o auxílio de um profissional habilitado – arquiteto ou engenheiro. A autoconstrução - que vai das casas na favela até os sobrados no subúrbio – constitui a face mais comum das cidades brasileiras. Por que isso ainda acontece?

Héctor Vigliecca: A arquitetura foi sempre assim. No Renascimento, o arquiteto trabalhava nos palácios, nas igrejas, mas não fazia cidade. As casas eram feitas por construtores. São raras as cidades em que todas as edificações foram construídas por arquitetos, e que bom que foi assim, senão seria um tédio!

JS: Na Europa, especialmente em países como a Holanda, a participação do arquiteto é expressiva na construção da cidade, em oposição ao o que acontece no Brasil, onde o arquiteto ainda á muito pouco acessível à maioria da população...

HV: Realmente é difícil pagar um arquiteto para quem tem poucos recursos. Na Holanda 90% do construído são coisas repetitivas, como na França, principalmente no interior. Agora dentro das cidades, como Roterdã, os centros são muitos novos, a participação dos arquitetos é muito grande.

Contudo, a participação do arquiteto no Brasil, se comparada com vinte anos atrás, está muito maior. Primeiro porque a qualidade do arquiteto tem melhorado. Há também a maior participação das prefeituras, como na gestão Paulo Conde no Rio de Janeiro, que demonstrou que nossa participação pode melhorar a cidade e fazer boa arquitetura. Aqui também, com o Renova São Paulo, entre outros concursos que tem ocorrido.

Até os anos 1980 os arquitetos não entravam na prefeitura para fazer Habitação de Interesse Social, era a COHAB que fornecia os cadernos – os mesmos que você comprava na banca, “como fazer a sua casa”. Te dava toda a ferragem, os caixilhos, etc. Era ruim, e isso mudou totalmente, para melhor. Eu sou otimista.

Se você olhar para trás, quantas vezes se fez um concurso para habitação na cidade de São Paulo? Isso só foi acontecer nos últimos dez anos. Me lembro que estava em São Paulo na época de Celso Pitta, e diziam que “amanhã é lançado o novo plano diretor de São Paulo”. Foi um momento histórico.

Parque Novo Santo Amaro
Foto divulgação [Acervo escritório Vigliecca & Associados]

JS: O senhor acha que essa aproximação com o Estado tem a ver com o Estatuto da Cidade, com o Plano diretor da cidade?

HV: O plano diretor que fora feito era mais para cumprir obrigação, e o arquiteto era mal remunerado pelo governo. Hoje a situação se inverteu: quem paga bem é o poder público e não o privado. Isso mudou completamente o panorama da atuação dos arquitetos e urbanistas no Brasil. O único grande desastre foi o Minha Casa Minha Vida, quando os arquitetos foram banidos do processo. Foram construídas quase 3 milhões de casa, 10 milhões de habitantes! É quatro vezes a população do Uruguai. É um desastre, dificilmente os arquitetos atuavam.

Me lembro quando apareceu o plano chamamos várias construtoras nos colocando à disposição, e eles diziam que não precisavam de arquitetos, já tinham as plantas da CDHU. Os arquitetos não participaram, e os que participaram fizeram papel de desenhista apenas. Então não falta trabalho no Brasil, falta atitude política tanto do governo quanto dos profissionais.

comments

071.01
abstracts
how to quote

languages

original: português

outros: italiano

share

071

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided