Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Os professores Gabriela Celani e Rafael Urano entrevistam os alemães Tobias Walisser e Oliver Tessmann para o portal Vitruvius.

english
Professors Gabriela Celani and Rafael Urano interview Tobias Walisser and Oliver Tessmann for the Vitruvius portal.

how to quote

CELANI, Gabriela; URANO, Rafael . Conversa com Tobias Walisser e Oliver Tessmann. Entrevista, São Paulo, ano 18, n. 069.01, Vitruvius, fev. 2017 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/18.069/6428>.


Oliver Tessmann, Tobias Walisser no Sesc Pompeia, São Paulo
Foto divulgação

Gabriela Celani: Você pode nos contar sobre o prêmio que vocês ganharam? Por que você acha que ganhou esse prêmio? Está relacionado com o trabalho que faz em Berlim ou está relacionado com o trabalho de todos os três escritórios em Stuttgart, Sydney e Berlim?

Tobias Walisser: Obviamente, o prêmio está relacionado ao trabalho feito por todos nós no LAVA, todos os atuais e antigos funcionários nos últimos nove anos. Estamos muito agradecidos a todos os que contribuíram para isso e, claro, nos sentimos muito honrados por termos sido selecionados para o prêmio em 2016. O prêmio é dado pelo Chicago Athenaeum, que é uma instituição americana, e é dado a arquitetos ou escritórios europeus que o Athenaeum acha que incorporam o espírito da arquitetura europeia. O prêmio foi criado há apenas seis anos e é muito interessante ver que não é um prêmio dado no final da carreira de pessoas que já ganharam outros prêmios, mas é mais para pessoas que o Athenaeum considera que devem ser apoiadas na tentativa de redefinir a arquitetura ou para adicionar algo novo à arquitetura. Sentimo-nos muito honrados que, por exemplo, Bjarke Ingels ganhou o prêmio há alguns anos, os nossos amigos do Graft ganharam o prêmio... mas também pessoas como [Santiago] Calatrava ou [Alessandro] Mendini, que são arquitetos naturalmente mais conhecidos. No nosso caso, somos novos neste campeonato, mas é ótimo ver que alguém se sente intrigado com o que estamos tentando fazer. E nós não construímos muitos edifícios grandes até agora. Nós realmente não publicamos um livro grande sobre o trabalho que temos feito, e estamos no processo de construção de algo. Temos dois arranha-céus em desenvolvimento na China, temos um prédio de escritórios de uma grande universidade em construção na Arábia Saudita, que será concluído no próximo ano. Temos o nosso primeiro grande projeto em construção na Alemanha e temos alguns projetos menores na Alemanha chegando muito em breve. É realmente importante para nós mostrar que não são apenas ideias, mas também podem ser implementadas e, independentemente da escala, também podemos mostrar que há uma abordagem específica para a maneira como trabalhamos. Quando nomeamos nosso escritório como o “Laboratório de Arquitetura Visionária”, o aspecto “laboratório” pode ser complicado para alguns clientes, porque eles não querem ter a sensação de que são algum tipo de cobaia, mas se você vê como nossa pesquisa é feita... qualquer pesquisa tem uma agenda clara e ninguém está assumindo um risco que está fora de controle. Então a ideia do laboratório realmente significa que não há tantos constrangimentos... nossa equipe de alguma forma sempre está pesquisando algo e depois definindo os tópicos para os projetos. O termo “visão” foi um problema na Alemanha onde eu cresci. Na década de 1980 um político famoso disse que, se alguém tem uma visão, ele deve ir ao médico. Foi totalmente fora de moda tentar pensar sobre as possibilidades futuras, ter uma perspectiva otimista para o futuro como Oliver explicou antes. Assim, as visões estavam totalmente fora de moda e para nós era importante dizer: mas como arquitetos você sempre tem que ter uma visão porque imaginamos algo na frente de nossos olhos que ainda não está lá. Precisamos ter uma certa imaginação e o desejo de fazer algo que não seja apenas um cálculo técnico, com uma equação simples e uma solução ótima. Há intuição e há um desejo de criar um aspecto humanista na obra. E é isso que o Athenaeum de Chicago realmente honra no prêmio. Nós nos sentimos muito compreendidos no que estamos tentando apresentar e sentimos isso como uma apreciação do que estamos tentando fazer. Não é um trabalho fácil; estamos apenas no começo.

GC: A conversa foi ótima! Muito obrigada!

comments

069.01
abstracts
how to quote

languages

original: português

outros: english

share

069

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided