Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Gabriela Celani entrevista Tobias Wallisser, um dos sócios do LAVA - Laboratory for Visionary Architecture - de Berlim, que utiliza meios digitais, princípios estruturais encontrados na natureza e as últimas tecnologias de fabricação digital.

how to quote

CELANI, Gabriela. Lava, arquitetura visionária em Berlim. Entrevista com Tobias Wallisser. Entrevista, São Paulo, ano 16, n. 064.02, Vitruvius, out. 2015 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/16.064/5808>.


Mercedes Benz Museum
Foto divulgação [UNStudio]

Gabriela Celani: Você poderia falar sobre sua atividade de ensino na Academia de Artes em Stuttgart? O que vocês estão ensinando lá?

Tobias Wallisser: A Academia de Artes é um lugar muito especial. Geralmente na Alemanha você tem grandes universidades técnicas e você tem as universidades tecnológicas, que formalmente são ainda mais técnicas, mas há apenas duas escolas na Alemanha onde você pode estudar arquitetura como programa de bacharelado e mestrado, e isso é um modo muito artístico de olhar para essa questão. O que nós tentamos é deixar que as pessoas encontrem sua própria abordagem para a arquitetura. Então nós não apenas ensinamos aos alunos como fazer algo; nós queremos formar alunos interessados, e aí eles se tornarão motivados em aprender como fazer. Eu ensino no programa de mestrado. É um atelier sobre diferentes tipos de espaços, muito relacionado com o uso de diagramas, tentando abstrair ou visualizar as relações e conexões subjacentes em um projeto a criar algo que você não criaria baseado na sua vivência cultural ou na sua experiência. Trata-se de permitir às pessoas desenvolverem algo sem saber exatamente o que elas querem fazer. Eu também dou uma disciplina sobre projeto digital. A ideia é mostrar às pessoas o processo completo, como desenhar uma geometria complexa, como construir protótipos usando máquinas CNC, aprendendo o que funciona bem e o que não funciona, e as limitações da máquina CNC, e quando adaptar seu modelo digital de novo, e então desenvolver um projeto final. Então, o que nós estamos tentando fazer é mostrar aos alunos que há elementos interessantes em cada parte do processo, desde que você trabalhe em um ciclo. O processo não é linear; é um processo recursivo. Não importa mais se você começa de cima para baixo ou de baixo para cima. Quando você se move por todo o ciclo você tem que combinar ambas as abordagens. Você precisa ter uma ideia, mas então a ideia precisa se materializar em detalhes e cada detalhe precisa ser manufaturado. Vendo a manufatura, você tem algumas ideias sobre o partido, se era o conceito correto ou se você precisa adaptar a geometria ou mesmo o partido. É muito sobre ensinar um método. "Como trabalhar", ao invés de "o que fazer".

GC: Você traz muitas experiências do seu escritório em Berlim para os ateliers de projeto que você leciona em Stuttgart?

TW: Como um arquiteto praticante você pode aplicar o conhecimento que você desenvolve no escritório; esse trabalho entre análise e síntese você pode realmente aplicar nos cursos e nossa prática também é beneficiada por essa abordagem mais teórica que fazemos no atelier de projeto. Por exemplo, nós sempre olhamos para as possibilidades de manufatura no uso de certas máquinas. Por exemplo, é espantoso ver como as pessoas usando impressoras 3D acham que você não precisa se preocupar com a geometria, você apenas aperta um botão e você consegue construir qualquer geometria 3D. Mas isso é parcialmente verdade. Há limitações na fabricação de modelos impressos em 3D. O que eu acho que poderia ser mais interessante informar é que o modelo será construído em camadas, então nós usamos esse processo como algo que se torna como a sua impressão digital. O processo de manufatura é visível no produto final, como característica ou como qualidade do produtor final, em vez de tentar imprimir algo que pareça totalmente liso como uma superfície. Nós estamos olhando para a capacidade da impressão 3D de ser usada também como qualidade estética. Nós chamamos [esses exercícios] de 3D digitais. Você pode manufaturar a mesma geometria, mas se você imprimir em um ângulo diferente as coisas podem sair um pouco diferentes, e em vez de ser algo que simplesmente aconteceu você na realidade projetou dessa maneira. É uma decisão que você toma. Você deve estar ciente disto e ser capaz de levar isso em consideração quando projeta um objeto. Se você precisar dividir um objeto em partes menores você tem que pensar sobre as junções e então transformá-las em uma qualidade do objeto em vez de somente algo necessário.

GC: Qual sua opinião sobre a educação dos arquitetos na Alemanha? Quais novas tecnologias estão efetivamente sendo incorporadas no treinamento profissional?

TW: Claro, é importante que você aprenda a usar uma variedade de ferramentas, como inserir a informação no computador e como retirar a informação dele. Mas as pessoas acabam aprendendo de alguma maneira. No meu ponto de vista o que é mais problemático na educação é que nós ainda estamos ensinando as pessoas com uma visão do século 19 sobre o arquiteto criativo. O cara que tem uma ideia, e criação é algo pessoal, você faz o projeto e você tem outras pessoas que ajudam a executar. Isso é uma ideia muito antiquada do trabalho do arquiteto. Hoje [a profissão está muito mais ligada ao] processo colaborativo, onde cada um contribui com diferentes habilidades e conhecimentos. Na prática é muito mais sobre a colaboração entre arquitetos e engenheiros. Você precisa aprender uma linguagem para se comunicar com um engenheiro. Essa linguagem é a programação, e isso é fantástico, mas não funciona para todo mundo. Mas geralmente uma pessoa sabe programação e outra sabe sobre algo diferente e eles precisam se comunicar sobre o projeto. Então eu penso que a coisa mais importante é ensinar a comunicação dentro de uma equipe de arquitetos ou arquitetos e engenheiros. Comunicação é a parte mais valiosa e isso é algo para o qual não estamos dando a atenção necessária.  Nós ensinamos habilidades e destrezas, mas nós também precisamos aprender como ensinar a tomar decisões. Nós também precisamos ensinar cultura, cultura arquitetônica. Não apenas história da arquitetura, mas a história da manufatura, a história do projeto, entendendo que tecnologia é importante, é o que torna possível fazer algo diferente. Mas eu gostaria de citar Cedric Price: “se a tecnologia é a resposta, então qual é a pergunta?”. No fim nós sempre perguntamos a nós mesmos por que estamos fazendo isso, porque é algo para as pessoas. Nós não deveríamos projetar um edifício porque nós podemos apertar um botão em uma fantástica ferramenta nova a qual permite a você desenhar um edifício que se pareça como isto ou aquilo. Isto é bom para o ambiente acadêmico, é um ponto inicial, mas não deveria ser seu objetivo na vida construir essa coisa maluca duplamente retorcida, apenas para deixar uma marca como o cara que fez a forma da última moda. Mas podemos juntar essas habilidades para fazer algo que tenha sentido? Isso é algo em que eu sempre penso, mas nós nunca temos tempo suficiente para chegar a esse ponto. Nós estamos ocupados tentando ensinar o básico e nós nunca falamos sobre o que você faz quando você adquire os conhecimentos básicos.

GC: Você está fazendo pesquisas na Escola de Artes?

TW: Nós somos uma pequena escola com um orçamento limitado, então nós não podemos montar um grande espaço de fabricação. Nós temos máquinas pequenas e nós pesquisamos no básico. Um exemplo é [aquele que eu descrevi anteriormente sobre a impressora 3D]. Outra coisa que nós fizemos com uma simples CNC de três eixos, foi alterar o código do caminho de fresagem da máquina para que você não precise um monte de polígonos para ter uma superfície bastante complexa. Nós projetamos uma superfície simples e então nós alteramos o código para em vez de ter a máquina fresando suavemente, ela avança [rapidamente] sobre o material, e o resultado é baseado puramente no processo [de fabricação] e não na geometria. O que nós projetamos é na realidade o movimento da fresa e seu rastro se materializa no objeto. Então nós olhamos para isto, como um arquiteto, onde você pode interferir no processo de manufatura. É o oposto de dizer que primeiramente nós produzimos uma geometria complexa e que então nós achamos uma máquina melhor para produzir aquela complexidade. É mais sobre como usar uma simples máquina, mas aumentado a complexidade do resultado ao utilizá-la de modo diferente. É como “hackear”. Quando eu trabalhei no meu Commodore 64 a memória do computador era tão pequena que eu constantemente tinha que ser criativo sobre como armazenar dados. Nós olhávamos mais para o processo e em como reutilizar as coisas e como minimizar o trabalho. Eu acredito que isso é apropriado para uma escola onde nós não temos recursos para comprar o equipamento mais moderno. Mas nós também colaboramos com outras pessoas. Nós temos um workshop de robótica com a TU Graz, no qual nós cortamos isopor, procurando usar o robô para minimizar o desperdício.

comments

064.02
abstracts
how to quote

languages

original: português

outros: english

share

064

064.01

O mestre da habitação social

Antônio Agenor Barbosa, Rachel Paterman and Alberto Goyena

064.03

Entrevista com Jayme Zettel

Wilson Levy

064.04

Um edifício, um detalhe

Maycon Sedrez

064.05

Aprendendo com os erros dos outros

Gabriela Celani

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided