Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Otavio Leonidio homenageia a arquiteta e artista plástica Rizza Paes Conde, sua professora na Universidade Santa Úrsula, que o introduziu na discussão pós-moderna.

how to quote

LEONIDIO, Otavio. Rizza Paes Conde, arquiteta (1935-2020). Drops, São Paulo, ano 20, n. 151.02, Vitruvius, abr. 2020 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/20.151/7702>.



Morreu no último dia 3 de abril de 2020, aos 85 anos, a arquiteta e artista plástica Rizza Paes Conde. Tive o privilégio de ser seu aluno na Universidade Santa Úrsula, em 1987. No último dia de aula sabíamos, nós dois, que havíamos nos tornado bons amigos.

Rizza foi e fez muita coisa na vida – como arquiteta, urbanista, artista plástica e servidora pública. Mas é da professora que eu gostaria de falar. Porque Rizza foi uma professora extraordinária.

Para quem não se lembra ou ainda não teve oportunidade de saber, em meados dos anos 1980 a arquitetura brasileira vivia um momento de desorientação e certa perplexidade. A crise do modernismo e o advento do pós-modernismo eram vividos, aqui, como uma espécie de libertação: livres das amarras impostas por uma onipresente tradição modernista, xs mais jovens (e alguns não tão jovens – tenha-se em mente alguém como Paulo Casé, por exemplo) se deleitavam em suas pranchetas a ensaiar os jogos linguísticos que o pós-modernismo, súbita e inesperadamente, autorizava.

E se esse movimento foi importante e produtivo para a arquitetura produzida no Brasil naquele momento (tenha-se em mente por exemplo o que fizeram Jô Vasconcellos, Éolo Maia e Sylvio Podestá – para ficar nos nomes mais emblemáticos), foi também marcado por uma enorme desorientação conceitual/teórica: se o modernismo havia se tornado uma disciplina rígida e repressora (estabelecida e controlada, no Rio de Janeiro, pelo patriarca Lúcio Costa, e em São Paulo pela FAU de Artigas e seus muitos discípulos), o pós-modernismo não passava muitas vezes de uma falta de disciplina. Claro, algumas iniciativas foram lufadas de reflexão e esclarecimento (penso por exemplo na extraordinária Óculum, revista publicada a partir de 1985, dentre outros, por Abílio Guerra e, posteriormente, Silvana Romano). Mas de um modo geral o que prevalecia era um livre comércio de referência imagéticas mais ou menos sedutoras e por isso mesmo de grande apelo.

É nesse contexto que a atuação de Rizza se insere e se destaca. Porque junto com um grupo seleto de professorxs, Rizza trabalhou incansavelmente em sala de aula para que as experimentações formais e linguísticas de seus alunos e alunas (leia-se, para uma geração que, livre do fardo modernista, tinha que conviver agora com a insustentável leveza do “tudo pode” pós-modernista) fosse sempre acompanhada de reflexividade e autocrítica – precisamente os atributos da arquitetura praticada pelos mais importantes e consequentes arquitetxs pós-modernistas, a começar por Robert Venturi e Denise Scott-Brown (ou pelo genial Charles Moore, um dos arquitetos preferidos de Rizza).

Os exercícios que me lembro de ter feito em sua disciplina, nos quais se conjugavam sempre análises formais com produção textual, foram os mais ricos e instrutivos que fiz em toda a escola de arquitetura – na verdade, em toda a minha formação de arquiteto; foi graças a eles – e portanto à Rizza – que percebi a complexidade e a riqueza da arquitetura.

E se quis ser arquiteto e, mais ainda, se entendi que a arquitetura se faz também e talvez sobretudo na escola, foi graças à grande arquiteta que foi Rizza Paes Conde.

sobre o autor

Otavio Leonidio é arquiteto, doutor em História, professor associado do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da PUC Rio. Autor, entre outros, de Carradas de razões: Lucio Costa e a arquitetura moderna brasileira (PUC-Rio/Loyola) e Espaço de risco (Romano Guerra/Nhamerica).

Rizza Paes Conde (1935-2020)
Foto divulgação [Facebook]

 

comments

151.02 homenagem
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

151

151.01 coronavírus

O que se (des)aprende com a pandemia

O coronavírus como veneno-remédio

Abilio Guerra

151.03 neuroarquitetura

Neuroarquitetos e o compromisso com a saúde corporativa

Juliana Duarte dos Santos Purcinelli

151.04 coronavírus

A dignidade é para todos, que o coronavírus nos lembre disso

Berta de Oliveira Melo

151.05 coronavírus

Reflexões a partir da pandemia e seu contexto

Jorge Mario Jáuregui

151.06 iphan em risco

Sobre a nomeação de blogueira para a coordenação técnica do Iphan-RJ

Nota pública

Entidades de arquitetura, patrimônio e cultura

151.07 homenagem

Brasília histórica

A capital federal faz sessenta anos!

Rodrigo Queiroz

151.08 patrimônio cultural

Sobre as nomeações de profissionais sem qualificação adequada para cargos de chefia no Iphan

Nota pública

Membros do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural

151.09 sociedade

Qual vírus?

Pandemia de coronavírus versus endemia de cegueira e indiferença

Carlos A. Ferreira Martins

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided