Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Carlos Martins, professor do IAU USP, denuncia a inanição da prefeitura de São Carlos, interior de São Paulo, diante das catástrofes provocadas pelas chuvas na cidade.

how to quote

MARTINS, Carlos A. Ferreira. A culpa não é das chuvas. Parte 5. Drops, São Paulo, ano 20, n. 149.07, Vitruvius, fev. 2020 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/20.149/7651>.



Pode parecer estranho numa semana marcada por motins de policiais encapuzados, tiros no peito de um senador e apoio do presidente à convocação de manifestação contra o Congresso e o Judiciário – posteriormente desmentida, como sempre de maneira ambígua – continuar a falar das chuvas, alagamentos e enchentes.

Uma razão para isso é que – apesar de toda a torcida, inclusive do colunista – as chuvas não param de provocar perdas humanas e materiais. A outra é que os flertes da coalizão bolsonarista com uma ditadura aberta não vão parar por enquanto e ainda será possível falar deles, ao menos antes que ela chegue de vez.

O bolsonarismo passará no Brasil embora seja irresponsável afirmar se isso se dará em dois, seis ou mais anos. As chuvas torrenciais e o total despreparo das cidades para os seus efeitos – assim como a irresponsabilidade de dirigentes municipais e estaduais e dos representantes dos interesses mais fortes no mal chamado desenvolvimento urbano – proprietários de terra, empreendedores e imobiliárias – continuarão provavelmente por mais tempo.

Nesta semana a grande imprensa divulgou que apenas um pequeno percentual do orçamento destinado à limpeza de córregos no município de São Paulo foi efetivamente executado. Em São Carlos nem ao menos ouvimos falar que haja uma dotação para esse fim. E se há, certamente nada de concreto foi feito a respeito.

O prefeito justifica sua inação afirmando que para qualquer combate ao efeito das enchentes seriam necessários “mais de 700 milhões de reais”, o que é uma maneira óbvia de dizer que nada será feito.

Os representantes das tais “forças vivas” interessados no “desenvolvimento da cidade” – na verdade interessados nos seus lucros – continuam sua campanha na surdina dos conselhos municiais pela mudança do plano diretor que, para eles é muito restritivo.

Mais construção nas áreas de proteção aos mananciais, exatamente onde as chuvas têm o efeito devastador que temos assistido; mais impermeabilização do solo e menos áreas verdes e destinadas a equipamentos sociais são as suas reivindicações básicas.

Traduzindo, mais lucros logo e a cidade de nossos filhos e netos que se dane. Até quando?

sobre o autor

Carlos A. Ferreira Martins é professor titular do IAU da USP São Carlos, que tem capacidade intelectual reconhecida internacionalmente em política ambiental e urbana, mas não é chamada a esse debate.

legenda

Desbarrancamento avança sobre a avenida em São Carlos
Foto divulgação

 

comments

149.07 política pública
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

149

149.01 política

A culpa não é das chuvas

Parte 4

Carlos A. Ferreira Martins

149.02 lixo e enchente

O lixo atrapalha, mas não é o vilão das enchentes

Álvaro Rodrigues dos Santos

149.03 pesquisa

Ocupação Rino Levi

Notas sobre evento organizado pela FAU USP e Itaú Cultural

Ana Lanna

149.04 cultura

Violência, ganância, hipocrisia

As denúncias políticas das escolas de samba no carnaval 2020

Edison Ribeiro

149.05 instalação e cinema

Quando Cildo e King (quase) se encontraram

Ulisses Castro

149.06 política cultural

A última sessão do Cinearte

O fechamento dos cinemas de rua em São Paulo

Nabil Bonduki

149.08 política habitacional

Moradia adequada é um direito!

Raquel Rolnik

149.09 vitruvius 20 anos

20 vezes Vitruvius

Fernando Diez

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided