Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Carlos A. Ferreira Martins, professor do IAU USP, comenta a relação entre as enchentes e o planejamento urbano inadequado.

how to quote

MARTINS, Carlos A. Ferreira. A culpa não é da chuva. Parte 3. Drops, São Paulo, ano 20, n. 148.09, Vitruvius, jan. 2020 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/20.148/7635>.



Enquanto em São Carlos as chuvas parecem (esperamos) ter dado uma folga até o ano que vem, em Belo Horizonte elas têm cobrado sua cota anual de mortes, desabamentos e perdas materiais e humanas.

Em texto recente meu colega Renato Anelli, que foi secretário de Obras e Serviços Públicos de São Carlos entre 2001 e 2004 e desde então vem se dedicando a pesquisas sobre o tema, comenta o caso de Belo Horizonte.

Segundo seu texto, que vem apoiado no trabalho de vários pesquisadores mineiros, há um problema de origem no caso da cidade que foi criada para ser a nova capital do Estado no final do século 19.

Para Anelli um dos problemas na origem do recorrente problema das enchentes e deslizamentos de terra foi o abandono do plano proposto pelo engenheiro sanitarista Saturnino de Brito, que respeitava o traçado dos rios e córregos do sitio, e sua substituição pelo plano de Aarão Reis, igualmente engenheiro, que propôs uma quadricula geométrica que ignorava o traçado natural.

Isso implicou uma ocupação urbana indevida nas cabeceiras dos cursos d’água da capital mineira, com a impermeabilização do solo diminuindo a capacidade de absorção das chuvas e provocando o fluxo mais rápido das águas.

A isso se soma que em regiões ocupadas o risco de assoreamento (enormes quantidades de terra, areia e sujeira que diminuem a vazão dos corpos de água) é crescente.

E é claro que quando os córregos e rios são tamponados (cobertos) fica muito mais difícil o trabalho de desassorear (limpar o leito do córrego ou rio).

Estamos falando de Belo Horizonte, mas o leitor já percebeu que poderíamos trocar os nomes por São Carlos.

Também aqui o primeiro plano urbano da cidade se apoiou num desenho geométrico quadriculado que ignorou solenemente a topografia e a hidrografia (estudo e traçados dos corpos d’água) do nosso belo sítio.

É por isso que temos ruas (General Osorio, por exemplo) que cruzam os córregos fingindo que eles não existem e córregos que estão tamponados, embaixo de ruas e até de imóveis, sem que o cidadão se dê conta disso. Até que eles reclamem, na forma de alagamentos e enchentes.

Voltaremos ao tema. Porque as chuvas vão voltar.

sobre o autor

Carlos A. Ferreira Martins é professor titular do IAU USP São Carlos, que tem grandes especialistas no assunto.

 

comments

148.09 urbanização
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

148

148.01 homenagem

Maria Aparecida Baccega (1943-2019)

Especialista nas relações entre linguagens e sociedade

Tarcisio D'Almeida

148.02 homenagem

Ana Maria Primavesi (1920-2020)

Mãe da agroecologia, cientista ensinou como produzir alimentos sem usar veneno

Nabil Bonduki

148.03 homenagem

Hoover Americo Sampaio (1931-2020)

Angélica Benatti Alvim and Eunice Sguizzardi Abascal

148.04 urbanização

A culpa é da chuva

Parte 1

Carlos A. Ferreira Martins

148.05 ensaio

Vantagens do vazio

Yuri Vasconcelos Silva

148.06 política

Da Bélgica e dos países impossíveis

Adson Cristiano Bozzi Ramatis Lima

148.07 educação

A embolada da educação brasileira

Paulo Ormindo de Azevedo

148.08 urbanização

A culpa (não) é da chuva

Parte 2

Carlos A. Ferreira Martins

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided