Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
A crítica de design Ethel Leon comenta o design gráfico praticado por Emilie Chamie dentro da série “A mulher na história do design”.

how to quote

LEON, Ethel. Emilie Chamie (1927-2000). A mulher na história do design. Drops, São Paulo, ano 20, n. 146.07, Vitruvius, nov. 2019 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/20.146/7541>.



Uma das mais cultas designers que conheci. Flanava por várias áreas do conhecimento com muita coloquialidade. Assim como várixs designers que começaram carreira nos anos 1950 em São Paulo, Emilie foi aluna do Instituto de Arte Contemporânea do Masp.

Era uma das alunxs preferidas de Bardi, que via nela grande talento. Autora de peças importantes, algumas presentes na cidade, como a marca do Centro Cultural São Paulo, o TBC, fez inúmeros livros importantes e a marca de um simples cabeleireiro, Zamô, que fica na Melo Alves e mantém a mesma identidade visual até hoje!

Dirigiu balés e via nisso uma continuidade com relação a seu trabalho gráfico. Uma das coisas que mais me encantou nela foi seu portfólio autoportante. Ela o carregava em viagens e, quando se sentia só, punha-o de pé, na cabeceira ou na mesa do hotel.

O cartaz abaixo, projetado para a Bienal e que não emplacou, apresentava essa faca (o branco da imagem). Emilie queria que ele não apagasse os muros da cidade, mas se relacionasse com eles.

Como tantxs pessoas que admiro, não fazia distinção entre trabalho, prazer e diversão. Gostava de poesia, muito, namorou o poeta argentino Mario Trejo, que frequentou o curso do IAC.

Em seguida, relacionou-se com Mario Chamie, com quem veio a se casar. Desenhou as publicações da editora Práxis.

Brincalhona, gostava do trabalho de seu colega Alexandre Wollner, mas chamava-o, brincando, de “freirinha de Ulm”.

Conheci-a quando usava bengala, como na capa de seu livro. Portava-a com charme e tanto. Inesquecível.

nota

NE – quarto texto da série “Terça-feira das mulheres”, publicado pela autora em sua página Facebook.

sobre a autora

Ethel Leon é jornalista, pesquisadora, professora na área de história do design brasileiro e autora dos livros Memórias do design brasileiro, IAC – Primeira Escola de Design do Brasil, Michel Arnoult, design e utopia – móveis em série para todos e Design brasileiro – quem fez, quem faz.

Capa do livro “Rigor e paixão”, design gráfico de Emilie Chamie
Imagem divulgação

Capa do livro “Natureza da coisa”, design gráfico de Emilie Chamie
Imagem divulgação

Cartaz da 19aBienal de São Paulo, design gráfico de Emilie Chamie
Imagem divulgação

 

comments

146.07 design
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

146

146.01 homenagem

A risada firme de Julio Artigas

Que virou boas memórias de familiares e amigos

Alexandre de Oliveira Périgo

146.02 design

Moema Cavalcanti (1942–)

A mulher na história do design

Ethel Leon

146.03 política

Quem são os avestruzes?

Ou, me engana que eu gosto

Carlos A. Ferreira Martins

146.04 invídia

Re-encontro...

Com Bruno Zevi

Maria Elisa Costa

146.05 design

Elvira de Almeida (1945-2001)

A mulher na história do design

Ethel Leon

146.06 educação

Back to the past

Carlos A. Ferreira Martins

146.08 homenagem

Nelci Tinem

Um agradecimento póstumo

Luiz Gustavo Sobral Fernandes

146.09 política

Os deuses e o destino

A perseguição como política de Estado

Carlos A. Ferreira Martins

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided