Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
A arquiteta Maria Elisa Costa, filha de Lúcio Costa, rememora duas passagens com Bruno Zevi, eterno detrator da arquitetura brasileira, e fecha o texto com uma divertida referência a Gal Costa.

how to quote

ELISA COSTA, Maria. Re-encontro.... Com Bruno Zevi. Drops, São Paulo, ano 20, n. 146.04, Vitruvius, nov. 2019 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/20.146/7536>.



Em 1959, houve no Brasil um Congresso Internacional de Críticos de Arte (1).

Brasília estava em plena construção, inauguração prevista para o ano seguinte. O Alvorada e o Hotel Brasília Palace já estavam prontos, e JK fez uma coisa genial: despachou os membros do Congresso para o canteiro de obras que era então Brasília! Estavam presentes figuras importantes, como Saarinen, Maldonado e Otl Aicher (da Escola de Ulm), Charlotte Perriand, Jean Prouvé, e Bruno Zevi, entre outros – e eu, com pouco mais de vinte anos…

Zevi implicava solenemente com a arquitetura de Oscar, e quando visitou a obra da Câmara dos Deputados (ou do Senado, não me lembro), deu um sonoro berro que ficou ecoando um tempão dentro do recinto, como demonstração sonora de que ali estava tudo errado, nada daria certo naquela aventura.

Passam-se quase trinta anos, governo José Aparecido de Oliveira em Brasília. Haveria em Roma um evento “Roma-Brasília”, cuja origem confesso desconhecer. E fomos a Roma, dois professores da UnB e eu, na época assessora da Secretaria de Obras, pilotada por Carlos Magalhães.

Qual não foi minha surpresa ao ouvir, do mesmo Bruno Zevi de 1959, uma fala violenta contra Brasília. Os professores não se manifestaram, mas eu não consegui deixar passar em branco. Subi ao palco e pedi licença para dizer uma palavra: “O senhor não sabe, mas eu também estava presente naquele Congresso de 1959... Desde então, as crianças cresceram, as árvores cresceram, e quem mora em Brasília, gosta de Brasília. Vou recorrer a um patrício seu para lhe responder, Galileo Galilei – E pur si muove...”

Ele foi muito elegante, ao sair me localizou na plateia para me cumprimentar.

Anos 1980

Quando José Aparecido de Oliveira assumiu o Governo do Distrito Federal, nos anos 1980, e convocou a presença de Lúcio Costa e Oscar Niemeyer, vigorava na Faculdade de Arquitetura da UnB o movimento pós-moderno. Logo que assumi o posto de assessora do Secretário de Obras, Carlos Magalhães da Silveira, fui convidada a falar na UnB. Meus companheiros na Secretaria perguntaram: “E você vai?!” Respondi que sim.

Só que, no decorrer do encontro, fui percebendo que não era propriamente eu quem estava ali, servia apenas como uma espécie de “para-raios” recebendo todas as invejas e mais descargas negativas em relação a Brasília.

Fechei o encontro com um comentário: “Meu sonho era ter a voz da Gal Costa. E eu não tenho a voz da Gal. Mas eu não quebro o disco da Gal, eu ouço o disco da Gal...” No dia seguinte, fui recebida na Secretaria com deliciosos chocolates!

nota

NE – Sobre o congresso, ver: LOBO, Maria da Silveira; SEGRE, Roberto (Orgs.). Congresso internacional extraordinário de críticos de arte. Cidade nova: síntese das artes. Rio de Janeiro, Docomomo Rio. FAU UFRJ, 2009.

sobre a autora

Maria Elisa Costa é arquiteta (FNA UB, 1958). Foi arquiteta da Divisão de Urbanismo do Departamento de Urbanismo e Arquitetura da Novacap (1959-1964), arquiteta no escritório de B.H. Zehrfuss (Paris, 1964-1968), assessora do Secretário de Viação e Obras do Governo do Distrito Federal (1986-1987), presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan (2003-2004). É diretora da Associação Casa de Lucio Costa.

 

comments

146.04 invídia
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

146

146.01 homenagem

A risada firme de Julio Artigas

Que virou boas memórias de familiares e amigos

Alexandre de Oliveira Périgo

146.02 design

Moema Cavalcanti (1942–)

A mulher na história do design

Ethel Leon

146.03 política

Quem são os avestruzes?

Ou, me engana que eu gosto

Carlos A. Ferreira Martins

146.05 design

Elvira de Almeida (1945-2001)

A mulher na história do design

Ethel Leon

146.06 educação

Back to the past

Carlos A. Ferreira Martins

146.07 design

Emilie Chamie (1927-2000)

A mulher na história do design

Ethel Leon

146.08 homenagem

Nelci Tinem

Um agradecimento póstumo

Luiz Gustavo Sobral Fernandes

146.09 política

Os deuses e o destino

A perseguição como política de Estado

Carlos A. Ferreira Martins

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided