Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Segundo Carlos Martins, um fenômeno semelhante ocorre atualmente nos Estados Unidos e Brasil: o sistema federativo possibilita reações e resistências locais aos desmandos do governo central.

how to quote

MARTINS, Carlos A. Ferreira. Federalismo de reação? Ou, a hora e a vez da democracia representativa. Drops, São Paulo, ano 20, n. 144.09, Vitruvius, set. 2019 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/20.144/7489>.



Somente o núcleo duro do bolsonarismo ideológico enxergou algo de positivo no constrangedor discurso inaugural da Assembleia Geral da ONU.

Grande imprensa, diplomatas de carreira e o chamado “mercado” (nome fantasia do pessoal da grana alta) não acharam nenhuma graça em ofender o mundo inteiro e tentar compensar declarando amor a Trump, Israel e Arábia Saudita.

Pela boa razão de que o pessoal que faz contas sabe que num mundo altamente integrado a economia brasileira não sobrevive apenas com esses “parceiros”.

E também sabe aquilo que só o estafe presidencial pretende ignorar: tanto Trump quanto o primeiro ministro de Israel já não estão com a bola toda.

Trump teve um processo de impeachment aberto na Câmara dos Deputados nesta semana e Netanyahu precisa desesperadamente permanecer no governo ou irá para a cadeia.

Como em política não há vácuo, um curioso processo de afirmação de autonomia federalista está ocorrendo.

Os governadores do Nordeste montaram um consórcio que negocia com a China e a União Europeia sem depender do Itamaraty terraplanista.

Para mostrar que os interesses concretos falam mais alto do que fundamentalismos, os governadores do Norte e Centro-Oeste também estão negociando com Alemanha e Noruega a manutenção da ajuda daqueles países para a Amazônia.

Curiosamente um processo semelhante vem ocorrendo nos Estados Unidos, um país de tradição federalista muito mais forte do que o Brasil, onde o federalismo é quase que apenas nominal.

No gigante norte-americano os estados têm grande autonomia política e legislativa. Hoje há muitos e importantes estados norte-americanos que tem políticas opostas à de Trump, por exemplo na questão climática e na relação com os imigrantes, dois pontos cruciais da política presidencial.

Numa era em que ficou na moda falar da morte da democracia representativa, algo se move na redefinição das relações entre o poder nacional e as esferas estaduais e municipais.

É o caso de lembrar da lição do saudoso Franco Montoro: é nos municípios que vivem os cidadãos.

sobre o autor

Carlos A. Ferreira Martins é professor titular do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – IAU USP São Carlos.

 

comments

144.09 política
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

144

144.01 qualidade urbana

Chácara das Jaboticabeiras

Uma pausa em São Paulo

Vladimir Bartalini

144.02 sociedade

Submetidos à política dos EUA, repetimos 'O Rei da Vela'

Jorge Coli

144.03 educação

O Brasil não tem espaço para todos

Quando o discurso da meritocracia enterra a democracia

Carlos A. Ferreira Martins

144.04 política

Uma luz em meio a tantas barbáries

Nabil Bonduki

144.05 política

Universos paralelos

Quando o mundo bizarro se torna verdadeiro

Carlos A. Ferreira Martins

144.06 crônica

O protesto imaginário contra o assassinato da menina Ágatha

Carlos Fernando Andrade

144.07 crônica

Dom Pita, o arquiteto, e o drama da contemporaneidade

Yuri Vasconcelos Silva

144.08 crônica

A cidade e o amor

Rafael Baldam

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided