Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
A cidade muda de forma quando percebe-se o amor, os lugares mudam de significado. O próprio espaço físico urbano se transforma em outro: poético, que também muda.

english
The city changes form when love is perceived, places change in meaning. The urban physical space itself becomes another: poetic, which also changes.

español
La ciudad cambia de forma cuando se percibe el amor, los lugares cambian de significado. El propio espacio físico urbano se transforma en otro: poético, que también cambia.

how to quote

BALDAM, Rafael. A cidade e o amor. Drops, São Paulo, ano 20, n. 144.08, Vitruvius, set. 2019 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/20.144/7485>.



Caminhava em direção à minha casa, dividida com minha companheira. Uma casa em meio à tantas outras, posicionada especificamente naquela arbitrária rua. Meu caminho era certo, gravitava até a residência. Ter uma morada faz com que a cidade seja um lugar passageiro, onde colhemos histórias para levá-las para casa depois.

Em frente ao portão, que se abre pois tinha o segredo, fica o limite entre dois mundos: um nosso, grande em profundidade; outro também nosso, grande em extensão. Entro, é o fim do dia. Ainda é uma casa imersa no mundo, mas agora vejo apenas suas paredes internas. Em cima da mesa, coisas que trazemos da rua; nas paredes, confiança; na cozinha, gratidão; no chão os passos dela chegando. Nos encontramos ali, naquele aqui, enquanto a cidade toda era um lá, um além.

Enquanto na rua, ia em direção a esta casa com segurança pois sabia que lá morava o amor. A felicidade foi poder compartilhar a casa com ela e com o amor, ao mesmo tempo. Evento raro. Avistava de longe a pequena casa de fundos, como num mapa impossível que me dizia onde ir. Na paisagem, se destacava dentro de mim, pois não era diferente das outras fachadas alinhadas na calçada. Quando uma casa vira lar, comprar quatro pãezinhos na padaria da esquina se transforma em poesia; o supermercado vira um mero servo da pequena edícula; a rodoviária, apenas mais uma soleira para atravessar e chegar na morada.

Os versos duram enquanto durar a poesia, as palavras só avançam até findar a conversa. As paredes do lar foram se deslocando aos poucos para os lados, desalinhando-se das paredes da casa. À lenta velocidade vimos aquele lugar se transformar, sair do lugar. Por vezes nos restava apenas os tijolos nus, e a gente desprotegido lá dentro. Acontece que aquele era apenas um endereço, um primeiro que iríamos encontrar. Dia após dia o amor encaixotava um pouco das suas coisas e saía, levava para outro lugar, sem avisar. Quando vimos, tinha se mudado. E a gente lá.

Sem mais gravitar em direção ao lar, depois de se perder no mapa do próprio bairro em busca daquela casa comum, uma pergunta se ilumina no semáforo. Onde será que o amor mora agora?

Sem saber onde procurar, encaixotamos nossas coisas, e partimos.

sobre o autor

Rafael Baldam é urbanista arquiteto pela Unicamp, mestrando em Arquitetura e Urbanismo pelo IAU USP; editor da Revista Rasante – intersecções entre arte e cidade; possui trabalhos em ilustração, quadrinhos e poesia.

 

comments

144.08 crônica
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

144

144.01 qualidade urbana

Chácara das Jaboticabeiras

Uma pausa em São Paulo

Vladimir Bartalini

144.02 sociedade

Submetidos à política dos EUA, repetimos 'O Rei da Vela'

Jorge Coli

144.03 educação

O Brasil não tem espaço para todos

Quando o discurso da meritocracia enterra a democracia

Carlos A. Ferreira Martins

144.04 política

Uma luz em meio a tantas barbáries

Nabil Bonduki

144.05 política

Universos paralelos

Quando o mundo bizarro se torna verdadeiro

Carlos A. Ferreira Martins

144.06 crônica

O protesto imaginário contra o assassinato da menina Ágatha

Carlos Fernando Andrade

144.07 crônica

Dom Pita, o arquiteto, e o drama da contemporaneidade

Yuri Vasconcelos Silva

144.09 política

Federalismo de reação?

Ou, a hora e a vez da democracia representativa

Carlos A. Ferreira Martins

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided