Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Bonduki expõe o momento de radicalização da extrema-direita no Brasil: a fragmentação da democracia e a previsão de continuidade do Governo Bolsonaro até 2022 é uma aposta de extremo risco para todos. Até lá, talvez só restem escombros.

how to quote

BONDUKI, Nabil. Uma luz em meio a tantas barbáries. Drops, São Paulo, ano 20, n. 144.04, Vitruvius, set. 2019 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/20.144/7482>.


Censura a livros e a filmes; criminalização de lideranças de movimentos de moradia; ataques à comunidade científica, à Universidade Pública e às ONGs ambientalistas; violência policial nas comunidades pobres; cortes de bolsas; chicotadas em adolescente negro em supermercado; desmonte dos órgãos de controle ambiental; militarização da Cinemateca.

Isso tudo em apenas uma semana. Será que precisamos de mais evidências para que todas as forças progressistas entendam que é necessária uma frente ampla pela democracia para conter o avanço do autoritarismo e da destruição das instituições do Estado brasileiro?

Um passo importante foi dado na segunda-feira, dia 2 de setembro, no Tuca, no ato “Direitos Já! Fórum pela Democracia”, com o qual contribui e do qual participei. O Fórum visa barrar o avanço do autoritarismo, da intolerância e do ódio, em defesa da Constituição de 1988 e do Estado de Direito.

O que reúne forças tão diversas é a oposição às tendências autoritárias que a partir do governo federal se alastram pelo país, como se viu na censura à Bienal do Livro, promovida pelo prefeito carioca (com a aprovação do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro – TJ-RJ), no recolhimento de livros didáticos determinada pelo governador de São Paulo e na instauração de estado de terror nas comunidades pobres, comandada pelo governador do Rio de Janeiro.

A ausência dos principais representantes do Partido dos Trabalhadores – PT e do Partido Socialismo e Liberdade – PSOL no ato, assim como de outras lideranças políticas de centro, preocupa mas pode (e precisa) ser revertida.

O artigo “Tiro ao pé”, de Breno Altman, publicado na tarde do evento no blog Opera Mundi, gerou uma controvérsia que inibiu a presença de lideranças progressistas no Direitos Já!. Ele revela uma análise equivocada do atual momento político.

Segundo o articulista, “a questão é saber o que poderia unir forças tão heterogêneas”. Segundo ele “para que PT, PSOL e Partido Comunista do Brasil – PCdoB pudessem se aliar a Partido da Social Democracia Brasileira – PSDB, Democratas – DEM e Cidadania (ex Partido Popular Socialista – PPS), teriam que colocar de lado, ou relativizar, seu próprio programa econômico ou a campanha pela libertação de Lula, por exemplo” (1).

Ora, o que pode unir forças tão heterogêneas é a defesa da democracia e do Estado de Direito, sem que ninguém precise abrir mão do seu próprio programa econômico. As divergências são o cerne da democracia, e é positivo reunir os diferentes em defesa do direito de divergir.

Em relação à questão Lula, o governador do Maranhão, Flávio Dino, um dos destaques do ato, defendeu a necessidade de um novo julgamento, imparcial, pois a Vaza Jato consolidou e generalizou a certeza de que o juiz era sócio da acusação. Ampliar o consenso em torno dessa tese é fundamental para o país superar essa ferida aberta.

A esquerda não pode cair no erro de se isolar nesse momento de radicalização da extrema-direita. A história está repleta de exemplos em que a fragmentação das forças democráticas progressistas e o sectarismo geraram o avanço do fascismo, como ocorreu na Alemanha dos anos 1930.

O objetivo do Direitos Já! não é formar uma coalizão orgânica e estável. Ao participar da reconstrução democrática, nem o centro nem a esquerda irão conspurcar suas identidades, programas e imagens, como, aliás, não fizeram ao participar das Diretas Já, movimento que uniu de José Sarney a Ulisses Guimarães, de Tancredo Neves a Lula, e que está na origem da Constituição de 1988.

Noam Chomsky, presente ao ato, mostrou que a ameaça à democracia no Brasil faz parte de um processo global onde até mesmo as democracias mais antigas do mundo, como a Inglaterra e os Estados Unidos, estão desabando.

A previsão de que o melhor é deixar Bolsonaro sangrar até 2022 para derrotá-lo nas urnas é irresponsável com o país, além de ser uma aposta de extremo risco para todos. Talvez até lá, só restarão os escombros.

notas

NE – publicação original: BONDUKI, Nabil. Uma luz em meio a tantas barbáries. Folha de S.Paulo, São Paulo, 09 set. 2019.

1
ALTMAN, Breno. Tiro ao pé. Blog Opera Mundi, São Paulo, 2 set. 2019 <https://operamundi.uol.com.br/analise/60291/tiro-ao-pe>.

sobre o autor

Nabil Bonduki é professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAU USP.

Ato “Direitos Já! Fórum pela Democracia”, Tuca PUC-SP, ocorrido no dia 2 de setembro de 2019
Foto divulgação [Website da Soninha]

 

comments

144.04 política
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

144

144.01 qualidade urbana

Chácara das Jaboticabeiras

Uma pausa em São Paulo

Vladimir Bartalini

144.02 sociedade

Submetidos à política dos EUA, repetimos 'O Rei da Vela'

Jorge Coli

144.03 educação

O Brasil não tem espaço para todos

Quando o discurso da meritocracia enterra a democracia

Carlos A. Ferreira Martins

144.05 política

Universos paralelos

Quando o mundo bizarro se torna verdadeiro

Carlos A. Ferreira Martins

144.06 crônica

O protesto imaginário contra o assassinato da menina Ágatha

Carlos Fernando Andrade

144.07 crônica

Dom Pita, o arquiteto, e o drama da contemporaneidade

Yuri Vasconcelos Silva

144.08 crônica

A cidade e o amor

Rafael Baldam

144.09 política

Federalismo de reação?

Ou, a hora e a vez da democracia representativa

Carlos A. Ferreira Martins

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided