Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Elaine Cavalcante, Leonardo Oliveira e Regina Lemgruber, abordam a construção da forma numa sociedade onde a tecnologia digital altera nossa práxis, não só no mundo produtivo, como no criativo

english
Elaine Cavalcante, Leonardo Oliveira and Regina Lemgruber, focuses on the development of form in a society where digital technology change our practice. We address the role of the sketch.

español
Elaine Cavalcante, Leonardo Oliveira y Regina Lemgruber, abordan la construcción de la forma en una sociedad donde la tecnología digital altera nuestras prácticas, no solo en el mundo productivo, sino también en el creativo

how to quote

CAVALCANTE GOMES, Elaine; OLIVEIRA, Giovanna Ortiz de; LEMGRUBER JULIANELE, Regina. Metodologias integradas. O croqui e a materialização da idéia. Drops, São Paulo, ano 09, n. 024.01, Vitruvius, ago. 2008 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/09.024/1764>.


Edifício-sede do Ministério da Educação e Saúde, segundo projeto de Le Corbusier, agora para o terreno do centro, Rio de Janeiro RJ. Le Corbusier, 1936


"How do I know what I think until I see what I say?" (E. M. Foster)Este paper aborda a construção da forma numa sociedade onde a tecnologia digital altera nossa práxis, não só no mundo produtivo, como no criativo. Como professores de arte, passamos a maior parte do tempo observando os alunos se expressar, através dos seus trabalhos, o mundo que percebem. Quase sempre respaldados nas nossas experiências passadas e as conscientes do presente, atuamos dentro de uma realidade mutável, aonde a tecnologia digital vem se infiltrando cada vez mais dentro da docência, sem distinção de área.

Num processo criativo, na materialização da idéia, os gestos mecânicos do desenho precisam ser secundados pela mão gerenciada pela consciência e entendimento. De uma forma mais direta, tentar a síntese entre pólos opostos, ou ter como síntese, o único termo onde útil e belo alcançam sua validez.

Especificamente, abordamos o papel do croqui, que no ensino das artes, é o princípio do conhecimento.

O croqui e a construção do conhecimento através da percepção

Tendo a percepção como uma forma de conhecimento que transcende o momento, levando à compreensão do objeto como um processo que é abstrato, simbólico, analítico e verbal, levou-nos à premissa de que somente a ampliação perceptiva poderia fornecer as bases para a utilização (útil) da tecnologia digital na produção de imagens/projetos/objetos/produtos. E esse conhecimento teria que partir do ensino do croqui, instrumento primeiro para o ensino da imagem.

E o croqui permite

“várias perspectivas... não sucessivamente, mas simultaneamente... ordem articulada porque desvinculada, diferentes planos de significação, de lógica, de antecedentes e de conseqüências e cada parte do todo adquire e exprime a racionalidade do plano em que se instaura” (1).

Tudo o que exprimimos ocorre no mundo lá fora, mas só é decifrável através da percepção, que acontece quando nos deparamos com a realidade, seja ela construída, natural, visível ou não. Através da avaliação perceptiva e cognitiva, se constituem o que conhecemos como imagens mentais.

“memória é a capacidade essencial do cérebro humano de armazenar pensamentos, sentimentos, fatos, no sistema neuronal, que formam uma bagagem cognitiva das experiências e conhecimentos pessoais para recordá-los mais tarde” (2).

O croqui, quer reprodução do objeto ou da idéia, parte da percepção ou do apelo sensível-visual-horizontal, visual-vertical, cinestésico (apelos olfativos, tato, envolvimento, etc.), ocorre num excitamento da intuição que coloca a relação do ser com o objeto e leva, por isso, ao conhecimento cognitivo, que requer capacidade para mapear, localizar e utilizar informações.

Com o encontro do objeto com o processo de re-conhecimento, passa-se à fase dos pensamentos transformacionais, através do desenvolvimento do sistema de classificação e, ao mesmo tempo, da capacidade de aplicar tal sistema.

Da fase posterior, onde “o pensamento lógico é o resultado de uma série interna de respostas implícitas que representam uma situação que atua como estímulos e modos de transformar as situações“ (3), pode-se chegar à fase propositiva do projeto, como ação mediadora de modelos opostos, como criação de constructos hipotéticos.

“Sempre que ocorre desenvolvimento, ele processa-se desde um estado de relativa globalidade e ausência de diferenciação para um estado de crescente diferenciação, articulação e integração hierárquica” (4).

Materialização da idéia e a informática

No processo de materialização da forma, ao observarmos o objeto é necessário considerar a sua geometria e não apenas o seu significado. Alguns detalhes notáveis farão parte de um vocabulário, formando um arquivo conceitual que poderá ser consultado.

A transversalidade é a característica principal do uso atual de tecnologia informática de auxílio ao desenvolvimento criativo, promovendo também, o contato e a ambientação com outros importantes conceitos no uso atual da tecnologia, que são a criação de bases de conhecimento universais.

Os últimos 20 anos vêm apresentando tecnologias de desenvolvimento, produção, gestão e comunicação, conceitualmente inovadoras e seguindo uma tendência cada vez mais forte de convergência, integração e transversalidade, o nivelamento tecnológico (Knowledge base management – KBM) e o trabalho em rede corporativa (network), a diversidade natural de necessidades das áreas de conhecimento envolvidas, implementará diálogo entre uma dessas áreas – e sua necessidade específica – com quem atua mais próximo dos recursos exigidos, fomentando assim a integração dos usuários/profissionais interdisciplinares.

Se retrocedermos no tempo, podemos nos transportar para os momentos ricos e instigantes quando o homem passou a misturar a gordura aos pigmentos minerais, produzindo tintas que enriqueceriam as cavernas e consolidariam uma visão de mundo. Podemos, ainda, sentir o deslumbre do lampião a gás incidindo sobre as cores, modificando a percepção ao artista no ato criativo. A fotografia servindo de motivo para os pintores impressionistas e o cinema mudando a linguagem do romance. A TV influenciando o cinema. Desde os romanos que retornavam das suas batalhas com estandartes relatando as façanhas até histórias em quadrinhos, vídeos, celulares que gravam e emitem imagens, computadores cada vez menores e eficazes, todos, formaram um novo modo perceptivo do homem contemporâneo, fazendo com que ele seja instrumento da sua época.

Nas artes plásticas, no campo criativo/produtivo, várias linhas de pensamento conceituam o impacto da tecnologia em nossas vidas e tentam explicar como elas serão neste novo mundo de tecnologias informáticas e suas mais complexas extensões.

Uma vez que uma tecnologia é aceita, ela atua de imediato; faz o que está destinada a fazer. Nossa tarefa é compreender o que é esse desígnio; vale dizer que, quando aceitamos uma tecnologia nova, devemos fazê-lo com os olhos bem abertos (...) posto que é uma certeza que as tecnologias radicais criam novas definições para velhos termos, e que esse processo ocorre sem que tenhamos plena consciência dele. (5)

Por um lado, a linha do determinismo tecnológico nos alerta para as mudanças provocadas pelo uso das novas tecnologias e todas as adaptações, transições e conceitos que são trazidas por elas. Como exemplo, Postman observou a profusão de novas palavras relacionadas às novas tecnologias que cotidianamente, acrescentamos em nossa linguagem, sem nos darmos conta de como velhas palavras e seus conceitos são radicalmente modificados e aceitos sem questionamento.

“As novas tecnologias alteram a estrutura de nossos interesses: as coisas sobre as quais pensamos. Alteram o caráter de nossos símbolos: as coisas com que pensamos. E alteram a natureza da comunidade: a arena na qual os pensamentos se desenvolvem” (6)

Por outro lado, uma outra linha de pensamento nos deixa mais tranqüilos quanto ao uso das tecnologias. Mesmo reconhecendo que existem sim, inúmeras modificações menos perceptíveis, Pierre Lévy considera que o homem muito progrediu graças a uma nova forma de conhecer o mundo, de poder representar e modelar esse “novo” conhecimento e principalmente, em utilizar novas formas de transmissão e comunicação para divulgar essas representações. Cria-se a base para o surgimento de uma tecnologia intelectual que provavelmente, num futuro, nos oferecerá ferramentas mais eficientes de auxílio à criatividade. Porém, neste momento, onde o conflito do homem do pensar embate com o homem do fazer, é necessário considerar a tecnologia informática como atrator de todos os pensamentos e o principal agente da transversalidade, pois nada mais natural que aprender a utilização de suas ferramentas de auxílio para as mais diversas áreas – ferramentas estas que são desenvolvidas e aplicadas em ciclos temporais cada vez menores. Já não é tão fácil identificar qual é o motor que gira esta roda cada vez mais rápida: a disponibilidade de processamento obtida pelos novos processadores ou a exigência de cada vez maior poder de geração e controle de informação.

Considerações finais

A percepção, como aborda uma coleção de eventos, coisas e pessoas, assim como eventos e coisas estão sujeitos a uma série de inferências dadas não só pelos aspectos fisiológicos dos sentidos como pelas características individuais do perceptor, não oferece muita possibilidade de respostas simples, mas é uma ferramenta que ajuda a construção de coisas identificáveis, auxiliando a cognição, construindo uma codificação do mundo percebido, que será lembrado de maneira apropriada, quando necessário.

O modo como a percepção se apossa do perceptor, seja através de uma maneira complexa ou não, afetará o seu comportamento diante de uma determinada situação. Por ser um processo acumulativo e seletivo, a percepção tornará o indivíduo cada vez mais familiarizado com o seu ambiente.

Por tudo isso que foi exposto e apresentado acima, pela importância em determinar atitudes, fica claro que há uma necessidade de estudos mais ambiciosos destinados à resolução da construção do conhecimento, tendo a informática como a inteligência artificial que agirá, cúmplice na criação e materialização da idéia. Com quais instrumentos sensíveis podemos extrair informações transformadoras? Certamente, o croqui e a informática são complementares nesse processo de construção do conhecimento.

notas

1
SANTOS, 1990

2
CUEVAS RODRÍGUEZ, Josefina. La enseñanza del diseño arquitectônico orientada al desarollo del pensamiento creativo, crítico y autocrítico: guia referencial para los talleres de la Faculdad de Arquitectura de la Universidad Veracruzana. México: UNAM. Dibvisión de Posgrado e Investigación de la Faculdad de Arquitectura, UNAM, 2000.

3
TURNER, 1976

4
WERNER, 1957:126

5
POSTMAN, Neil. Tecnopólio: a rendição da cultura à tecnologia. Tradução de Reinaldo Guarany, São Paulo, Nobel, 1994, p. 17.

6
Idem, ibidem, p. 29.

sobre o autor

Elaine Cavalcante Gomes, Professora Doutora, de Desenho e Plástica no curso de Arquitetura e Urbanismo, da Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, Brasil.

Leonardo Oliveira, empresário, profissional no desenvolvimento de produtos, em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Regina Lemgruber Julianele, Professora Mestra, de Desenho Artístico, na Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de janeiro, Brasil.

Elaine Cavalcante Gomes, Leonardo Oliveira e Regina Lemgruber Julianele, São Paulo SP Brasil

Casa de Vidro, croquis iniciais

Museu Brasileiro de Escultura, Paulo Mendes da Rocha, 1986-1995

Croqui feito por Lúcio Costa representando o projeto para o parque Guinle (extraído do livro “Registro de uma vivência”).

Croqui de Pampulha de Niemeyer. Fonte: NIEMEYER, Oscar. A Forma na Arquitetura. Rio de Janeiro, Avenir, 1980, p.28-29

Oscar Niemeyer, croquis para ocupação de Brasília

Croquis do arquivo de Lina Bo Bardi (Instituto Lina Bo e Pietro Maria Bardi, doravante ILBPMB). Esboços para pirâmide e, abaixo, à esquerda, estrutura de pórticos cruzados (riscada, decerto descartando momentaneamente a idéia)

 

comments

024.01
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

024

024.02

XXIII Congresso UIA

Algumas notas sobre o evento Turim 2008

Haifa Yazigi Sabbag

024.03

Athos Bulcão

Maria Elisa Costa

024.04

Sejima + Nishizawa / SANAA

Flexibilidade, transparência, amplitude

Yuko Hasegawa

024.05

O cassino e o incubo branco

Sobre o projeto de Niemeyer para a Pampulha

Roberto R. Andrés

024.06

Todos somos responsáveis pelos governos

Antônio Agenor Barbosa and Gisela Verri de Santana

024.07

VI Bienal Ibero-americana de arquitetura e urbanismo

Antonio Toca Fernández

024.08

Biblioteca Prestes Maia

Tempos urbanos diversos

Ana Luiza Martins

024.09

Joaquim Guedes

Quando cessa o pensamento

Miguel Pereira

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided