Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Este texto fala sobre o conceito de "salas de descompressão", ambientes dedicados ao descanso no meio da jornada de trabalho, que podem oferecer até TV, sala de jogos, música, café...

english
This text talks about the concept of "relief rooms", dedicated to rest in the middle of the workday, which can provide up to TV, games room, music, coffee

español
Este artículo habla sobre el concepto de "salas de descompresión", ambientes dedicados al descanso en el medio de la jornada de trabajo, que pueden ofrecer hasta TV, sala de juegos, música, café...

how to quote

BARBOSA, Vinicius. Sala de descompressão. Utopia ou necessidade? Drops, São Paulo, ano 06, n. 014.05, Vitruvius, mar. 2006 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/06.014/1678>.


Não chega a ser incomum o número de turistas, brasileiros especialmente, que se admiram com o fechamento do comércio na hora da sesta nas regiões mediterrâneas de Itália e Espanha. Os benefícios do descanso após o almoço já foram motivo de estudo pela Nasa, que verificou um aumento considerável de performance do indivíduo quando da dedicação de alguns minutos de repouso no meio de uma jornada.

Na China, a sesta (xiu-xi) é compulsória, amparada constitucionalmente (!). No Japão, as empresas normatizaram os “salões de sesta”. Nos Estados Unidos e Europa, além do cochilo ser considerado saudável, virou um way of life nos ambientes de trabalho.

No Brasil, é ainda embrionário o conceito das "salas de descompressão". Mas, onde foram implantadas já são um grande sucesso. Funcionários de corporações como Citibank, SulAmérica e Infraero fazem contas do ganho de qualidade de vida. E as empresas, por sua vez, do ganho de produção proporcionado pelas salas, que variam de acordo com o clima organizacional, verificado basicamente por pesquisas junto aos próprios funcionários.

Os ambientes podem ser unicamente para o descanso, ou setorizados de acordo com a necessidade e o porte da empresa, oferecendo TV, sala de jogos, música, café... Há ainda os mais incrementados, com poltronas de relaxamento e massagem - em alguns casos, os funcionários são treinados a desenvolver técnicas de relaxamento, respiração e automassagem. Algumas companhias já solicitam aos arquitetos que projetem as salas de descompressão em conjunto com os consultórios especializados, que fazem pacotes de serviços de massagem terapêutica. Tudo em nome do bem-estar do funcionário.

Os preciosos momentos de relaxamento nas salas de descompressão não são privilégio daqueles que têm tarefas consideradas estressantes, como policiais, operadores da bolsa ou motoristas de ônibus. Pelo contrário. Por aqui, as primeiras salas surgiram em ambientes como agências de publicidade e empresas de comunicação. Com uma arquitetura bastante alternativa, e equipamentos que estimulam a criatividade ou que “desligam”, os funcionários têm total flexibilidade de tempo de permanência no ambiente. Sabe-se da distinção de comportamento entre os povos, mas, chegará o dia que não será mais utópica a idéia de satisfação dentro da empresa, mesmo em nosso país, e o ato de produzir voltará a ser um prazer.

Vinicius Barbosa, Florianópolis SC Brasil

 

comments

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided