Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Autor comenta a 4ª edição do Prêmio Interferências Urbanas, evento ocorrido na cidade do Rio de Janeiro

english
The author analyses the 4th edition of the Urban interferences, event occurred in Rio de Janeiro

español
El autor comenta la 4º edición del Premio Interferencias Urbanas, evento llevado a cabo en la ciudad de Río de Janeiro

how to quote

AZEVEDO, Rodrigo. Artes de portas fechadas. 4ª edição do prêmio Interferências Urbanas. Drops, São Paulo, ano 03, n. 005.09, Vitruvius, dez. 2002 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/03.005/1601>.


"A arte cresce vivendo fatos dramáticos"
(Alex Fleming)
O resultado da premiação da 4ª edição do prêmio Interferências Urbanas foi decepcionante para quem esperava que o evento pudesse se transformar em um belíssimo manifesto da arte contemporânea carioca contra a realidade urbana assassina da cidade do Rio de Janeiro.

Não quero de forma alguma defender uma arte engajada, mas é inevitável hoje, no Rio de Janeiro, não pensar em arte urbana sem a menor ligação com nosso contexto de cidade. O Rio de Janeiro vive uma situação única no Brasil: os cariocas estão abrindo mão de sua cultura em prol da sobrevivência. Não se pode mais sair a noite, conversar com estranhos, flanar pelas ruas, estar à vontade nos espaços públicos a qualquer hora do dia ou da noite, é preciso sim, andar rápido, não se distrair, ficar em casa, etc. Isto é literalmente deixar de ser carioca, e neste caminho, hoje somos vanguarda, pois nenhuma outra cidade do Brasil está abrindo mão, coletivamente, de sua identidade.

E, apesar de toda a onda de violência da cidade, o bairro de Santa Teresa é ainda um dos últimos refúgios dos valores etimológicos da urbanidade: cortesia, civilidade e afabilidade. O bairro (leia-se as pessoas) ainda resiste e batalha pela preservação de sua cultura e morfologia urbana.

O que se esperava da comissão julgadora era, além da sensibilidade artística, o mínimo de sensibilidade urbana. E o que se comprovou com a escolha da maioria dos trabalhos – todos sem nenhum parecer da comissão (???!!!!) – foi a grande indiferença com a cidade do Rio de Janeiro e o bairro de Santa Teresa, quase uma falta de respeito, uma postura quase alienada em prol de uma arte quase boba.

notas

[publicação: julho 2002]

Rodrigo Azevedo, Rio de Janeiro

Abismo sob abismo - Thiago Pitta, interferências urbanas, 3ª edição

 

comments

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided