Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Como foi, é ou será o comportamento humano perante o próprio comportamento humano dentro de nossas cidades? grandes ou pequenas? no passado ou futuro?

how to quote

SANDOLI, Ana Carolina. Deriva.... Interrogações para o passado e para o futuro. Drops, São Paulo, ano 02, n. 003.01, Vitruvius, jul. 2001 <https://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/02.003/1575>.


Grandes, médias ou pequenas.

No passado, presente ou futuro.

Como foi, é ou será o comportamento humano perante o próprio comportamento humano dentro de nossas cidades? grandes ou pequenas? no passado ou futuro?

E agora, como é o hoje?

Saindo de Ribeirão Preto com destino a cravinhos, dentro de uma van, quais as coincidências significativas encontradas?

Medo! É incrivel como em uma hora de passeio diurno percebemos essa grande coincidência significativa. Mas será coincidência as pessoas de uma cidade pequena como Cravinhos sentirem o mesmo medo das pessoas de uma cidade média como Ribeirão Preto? Até que ponto sentimos o medo ou esse medo nos é imposto?

É perigoso sairmos a andar pela rua, principalmente se estivermos com roupas que denunciem marcas.

Mas é igualmente perigoso começarmos a nos trancar dentro de casa (quando as pessoas não mais andarem pelas ruas, os ladrões deixarão de roubar? não!, e isso é mais do que óbvio) e é mais do que óbvio que começarão a invadir nossas casas com mais frequência do que fazem hoje.

? (uma interrogação para o passado)

Passado opaco, que deixou problemas sérios. Passado que a história nos conta, mas que se foi sem deixar soluções, porque o que foi útil ontem não é necessáriamente útil hoje (a não ser o aprendizado da experiência)

Uma grade de isopor, com um banquinho furado para o presente. Atual momento em que a sociedade teme ela mesma, colocando em suas edificações grades imensas, cercas elétricas que matam passarinho mas não impedem ladrões, isolando-se da rua, do vizinho. O banquinho furado que nos mostra cada qual na sua casa com medo de sair para dar uma volta na praça (ou até mesmo não sair para não deixar de assistir ratinho na tv).

Um presente momento que pede uma ação voltada para a solução.

Pensamento por pensamento não basta. Reclamar por reclamar também não basta. Fingir que os problemas não existem não basta.

Nada basta... A injustiça social continua, a inversão de valores da sociedade está aqui... conosco... e as grades continuam sendo tão frágeis quanto um pedaço de isopor.... e o banquinho furado continua rasgando, envelhecendo na porta das casas .... e envelhecendo junto estão seus donos.

Tudo envelhece, e envelhecem também as idéias, ideais, crenças, valores, leis, o comportamento humano.

Tudo morre. e está na hora de morrerem também as velhas idéias, os velhos ideais, as velhas crenças, os velhos valores, as velhas leis, o velho comportamento humano.......

? (uma interrogação para o futuro)

Morrer para nascer de novo, nascer de novo para continuar existindo.

notas

[publicação: março 2001]

Ana Carolina Sandoli , Ribeirão Preto, Brasil


Foto Olivia Oliveira

 

comments

newspaper


© 2000–2020 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided