Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

português
Ethel Leon comenta o filme “Dor e Glória”, de Pedro Almodóvar, do ponto de vista do figurino e da direção de artes, abordando as cores, roupas e objetos em cena e seus significados à luz da tradição.

how to quote

LEON, Ethel. As próteses afetivas de Almodóvar. Resenhas Online, São Paulo, ano 18, n. 210.06, Vitruvius, jun. 2019 <http://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/18.210/7394>.


Tem me feito pensar, faz dois dias, Dor e Glória, de Pedro Almodóvar (1), em cartaz em São Paulo. Não vou falar sobre o filme, enquanto cinema nem de seu nó central, a questão da potência do desejo. Sublinho a importância dos objetos, das obras de arte e das cores em seus filmes.

Cena do filme “Dor e Glória”, direção de Pedro Almodóvar
Foto divulgação

A começar pela introdução, sequência de papeis marmorizados em movimento ondular, obra de Juan Gatti. Claro que o nome do diretor aparece sobre os vermelhos e brancos. Vermelho sempre foi A cor, aquela que, desde a Antiguidade, ocupa lugar central na economia cromática. O diretor se identifica com vermelhos e sua ambiguidade, o fogo, o desejo, o sangue e a destruição, e há uma gama complexa deles na película.

Depois são muitas as sequências que se podem ler a partir das cores, inclusive a cena da estação e a caverna/lar e sua luz branca que vem de abertura zenital mediada por grid.

Cena do filme “Dor e Glória”, direção de Pedro Almodóvar
Foto divulgação


Muito que observar, as roupas – a jaqueta de couro verde, momento da esperança da cura do protagonista. A pera verde, uma das famosas serigrafias de Enzo Mari na cozinha do ator (em Mulheres à beira de um ataque de nervos figurava a maçã vermelha da mesma coleção da empresa italiana Danese); muitos verdes contraditórios em toda a narrativa E também a miríade de objetos consagrados pela historiografia heroica do design moderno, entre os quais as poltronas de Gerrit Rietveld, uma delas estofada de veludo carmim (veludo: anátema para as vanguardas!) nesta operação tão cara ao diretor de fundir e confundir moderno e pós-moderno, transformando quase tudo em referências que negam o tempo maior, o tempo da história, mantendo-se em registro singular.

Cena do filme “Dor e Glória”, direção de Pedro Almodóvar
Foto divulgação

As obras, o apartamento todo, cada detalhe como a luminária de Gae Aulenti, ou a Eclipse de Vico Magistretti são o micro mundo do protagonista, que chega a dizer que investiu tudo que tinha naquele recanto do qual pouco sai. Em outro momento, quando o Guggenheim lhe envia carta solicitando uma tela de Pérez Villalta – pintor que retoma artistas do passado, citando-os em declaradas estratégias pós-modernas  – nosso personagem recusa, pois não quer separar-se da obra. A arte que o cerca, o design dos objetos, a decoração tão cara a seu universo cotidiano, presente inclusive no lindo painel de azulejos, realizado pelo pedreiro na caverna/lar, é algo da esfera da necessidade, como se os objetos fossem próteses afetivas, se é possível falar assim.

Cena do filme “Dor e Glória”, direção de Pedro Almodóvar
Foto divulgação

Em diversas cenas, Salvador se senta em sua mesa de trabalho, e, por trás dele estão dois livros facilmente reconhecíveis: de Manolo Blahnik e de Ettore Sotsass. O fetiche dos pés e o designer-arquiteto-intelectual-artesão que esgarçou os limites do moderno e se encantou com os aspectos libertários do pós-moderno. Mas aí estão quase assinaturas de Almodóvar em reconhecer como legítimos aspectos prosaicos da vida cotidiana e suas implicações psicanalíticas e também neste reconhecimento de artistas que fizeram a passagem do moderno ao pós-moderno, mas que dificilmente podem ser submetidos a esquemas formalizados. O trânsito entre esferas artísticas dos últimos cinquenta anos está lá, em seleção não sectária.

Cena do filme “Dor e Glória”, direção de Pedro Almodóvar
Foto divulgação

Além de tudo, em Dor e Glória, vale a pena ver vários homens muito bem vestidos em suas roupas coloridíssimas, distantes da opressão dos men in black, visual tão caro aos arquitetos e às arquitetas.

Cena do filme “Dor e Glória”, direção de Pedro Almodóvar
Foto divulgação

nota

1
Dor e Glória (“Pain and Glory”, Universal Pictures, 2019, 1h53m). Direção de Pedro Almodóvar. Com Antonio Banderas, Asier Etxeandia, Leonardo Sbaraglia, Penélope Cruz.

sobre a autora

Ethel Leon é jornalista, pesquisadora, professora na área de história do design brasileiro e autora dos livros Memórias do design brasileiro, IAC – Primeira Escola de Design do Brasil, Michel Arnoult, design e utopia – móveis em série para todos e Design brasileiro – quem fez, quem faz.

comments

210.06 filme
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

210

210.01 exposição

O que os olhos alcançam

Exposição do fotógrafo Cristiano Mascaro

Rubens Fernandes Junior

210.02 exposição

Alfredo Volpi e Bruno Giorgi

Pequena cronologia

Max Perlingeiro

210.03 teatro

Da roda viva

Quando arte e vida são a mesma coisa

Abilio Guerra

210.04 livro

Um veio rubro cortando uma paisagem rosa

A forma indelével

Eliane Lordello

210.05 livro

Os textos da Rosa

E o lápis, papel e tinta de Virgínia Artigas

Paulo Markun

210.07 filme

A fala intimista de Petra Costa

Sobre o estranho-familiar que nos ronda e nos aterroriza

José Lira

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided