Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

projects ISSN 2595-4245


abstracts

português
Selecionada pelo prêmio Instituto Tomie Ohtake Akzo 2018, a Casa do Carnaval, projeto de Alexandre Prisco e Nivaldo Andrade e financiado pelo PAC Cidades Históricas, é um restauro e adaptação de edificação eclética no Plano Inclinado Gonçalves, Salvador.

how to quote

PORTAL VITRUVIUS. Casa do Carnaval. Projetos, São Paulo, ano 18, n. 211.01, Vitruvius, jul. 2018 <http://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/18.211/7056>.


A vista, a partir da Baía de Todos os Santos, das Cidades Alta e Baixa, separadas pela encosta verde, é a imagem mais recorrente e representativa de Salvador. Para abrigar um museu dedicado ao frontispício de Salvador, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan), através do Programa de Aceleração do Crescimento – PAC Cidades Históricas, decidiu restaurar e adaptar uma edificação eclética localizada a cavaleiro da encosta, ao lado do Plano Inclinado Gonçalves, um dos ascensores urbanos construídos no século 19 para ligar as Cidades Alta e Baixa. Durante a etapa final de execução das obras, a Prefeitura Municipal de Salvador, a quem o Iphan delegou a gestão do equipamento, decidiu que ele não mais abrigaria o Memorial do Frontispício, e sim a Casa do Carnaval, espaço cultural dedicado à maior e mais conhecida festa popular da cidade.

Embora não seja individualmente tombada, esta edificação é parte fundamental do próprio frontispício de Salvador e compõe o Conjunto Arquitetônico, Paisagístico e Urbanístico do Centro Histórico de Salvador, tombado em nível federal em 1984 e incluído na Lista do Patrimônio Mundial da Unesco em 1985. Ademais, encontra-se na vizinhança imediata da Catedral Basílica de Salvador (antiga Igreja do Colégio de Jesus), tombada em nível federal 1938, e a menos de 200 metros de distância de edifícios coloniais igualmente tombados em nível federal, como o Palácio Arquiepiscopal e a Santa Casa de Misericórdia.

Casa do Carnaval, escada, Salvador. Arquitetos Alexandre Prisco e Nivaldo Andrade
Foto Manuel Sá

A edificação encontrava-se abandonada, após ter abrigado, por vários anos, um agrupamento da Polícia Militar. Além da edificação eclética propriamente dita, com dois pavimentos mais subsolo, constava de um acréscimo realizado posteriormente entre esta e o Plano Inclinado Gonçalves, adotando as linhas gerais da edificação principal.

O projeto elaborado a partir de 2015 se baseia nas reflexões de Marco Dezzi Bardeschi, para quem o patrimônio edificado corresponde a um palimpsesto, “uma forma de escritura que não se faz sobre ou às custas do texto existente” e que deve “respeitar estratificações, complexidades, heterogeneidades do construído”. Para Dezzi, portanto, “os arquitetos têm o dever de aportar nova matéria ao contexto da edificação, sem que isso penalize a estratificação e a distinguibilidade das fases construtivas e de uso”, pois é preciso “crer na autonomia – e na possível não conflitualidade com o existente – do projeto do novo” (1).

Casa do Carnaval, terraço, Salvador. Arquitetos Alexandre Prisco e Nivaldo Andrade
Foto Manuel Sá

Assim, os autores do projeto da Casa do Carnaval decidimos conservar quase integralmente a edificação eclética principal: suas fachadas, suas paredes internas (exceto aquela divisórias, de construção recente), as quatro colunas clássicas localizadas no grande salão do pavimento térreo e as lajes de concreto do pavimento térreo e do primeiro pavimento. No acréscimo, por sua vez, a intervenção foi radicalmente transformadora, mantendo-se apenas as medianeiras e parte da laje do primeiro pavimento, transformada em mezanino. O acréscimo pode, assim, ser transformado em uma ampla praça coberta, espaço articulador de todo o equipamento, e recebeu duas novas fachadas envidraçadas: uma mais estreita, na face sudeste, voltada para a fachada posterior da Catedral Basílica, e que abriga o acesso do público, e uma monumental, no lado noroeste, com vista privilegiada para a Baía de Todos os Santos.

Os principais espaços expositivos foram instalados nos grandes salões do pavimento térreo e do primeiro pavimento do edifício eclético. Um balcão contínuo, com estrutura em aço em balanço, é proposto no pavimento térreo, ao longo de toda a fachada noroeste da edificação eclética, visando permitir aos visitantes a apreciação da paisagem da Cidade Baixa e da Baía de Todos os Santos. O subsolo abriga os sanitários e espaços administrativos, enquanto a cobertura, anteriormente em quatro águas, com telhas de fibrocimento e estrutura em concreto armado, foi substituída por uma laje impermeabilizada na qual foi instalado um pequeno café, que também desfrutará de uma vista excepcional.

A Casa do Carnaval foi inaugurada em 5 de fevereiro de 2018 e desde então recebe centenas de visitantes diariamente.

Casa do Carnaval, vista aérea, Salvador. Arquitetos Alexandre Prisco e Nivaldo Andrade
Foto Carlos Galassi

ficha técnica

projeto
Casa do Carnaval

localização
Praça Ramos de Queirós, s/n, Centro Histórico de Salvador, Bahia

autores
Alexandre Prisco e Nivaldo Andrade / A&P Arquitetura e Urbanismo

responsável técnico
Alexandre Prisco

colaboradores
arquitetos Lucas Paes, Rodrigo Motta, Augusto Motta e Diego Serra; estagiárias Alessandra Pittau, Clara Oliveira, Gabriela Lauria, Maiara Gaspar e Vanessa Orrico

contratante
Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan, Superintendência na Bahia, através do PAC Cidades Históricas

construção
Mehlen Construções Ltda.

área construída
1.340,00 m2

datas
Projeto: 2015-2017
Obra: 2015-2017
Inauguração: 5 de fevereiro de 2018

premiação
Finalista do 4º Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake Akzonobel

nota

NE – O júri do Prêmio Instituto Tomie Ohtake Akzo 2018, formado pelos arquitetos Adriana Benguela, Fábio Mariz Gonçalves, José Lira, Marcos Boldarini e Priscyla Gomes, selecionaram treze finalistas, publicados nos números 211 e 212 da revista Projetos do portal Vitruvius:

01. PRISCO, Alexandre; ANDRADE, Nivaldo. Casa do Carnaval. Projetos, São Paulo, ano 18, n. 211.01, Vitruvius, jul. 2018 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/18.211/7056>.

02. MANGABEIRA, Daniel; COUTINHO, Henrique; SECO, Matheus. Casa 711H. Projetos, São Paulo, ano 18, n. 211.02, Vitruvius, jul. 2018 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/18.211/7058>.

03. NITSCHE, Lua; NITSCHE, Pedro. Residência Piracaia. Projetos, São Paulo, ano 18, n. 211.03, Vitruvius, jul. 2018 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/18.211/7059>.

04. O’LEARY, Fernando; DOMINGUES, Pedro; FARIA, Pedro. Vila Amélia. Projetos, São Paulo, ano 18, n. 211.04, Vitruvius, jul. 2018 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/18.211/7060>.

05. TEIXEIRA, Carlos M. Casa no Cerrado. Projetos, São Paulo, ano 18, n. 211.05, Vitruvius, jul. 2019 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/18.211/7062>.

06. VAINER, André. Residência em Gonçalves. Projetos, São Paulo, ano 18, n. 212.01, Vitruvius, ago. 2018 <http://vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/18.212/7063>.

07. VIGLIECCA, Héctor; QUEL, Luciene; SHIMIZU, Neli; WERNER, Ronald Fiedler. Parque Novo Santo Amaro V - Programa Mananciais. Projetos, São Paulo, ano 18, n. 212.03, Vitruvius, ago. 2018 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/18.212/7064>.

08. MACIEL, Carlos Alberto; ITOKAWA, Ulisses Mikhail Jardim. Estúdios Ouro Preto. Projetos, São Paulo, ano 18, n. 212.04, Vitruvius, ago. 2018 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/18.212/7065>.

09. CALVINO, Rodrigo; PORTAS, Diego. Hostel Villa 25. Projetos, São Paulo, ano 18, n. 212.02, Vitruvius, ago. 2018 <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/18.212/7071>.

10. JUNI, Anna; WINKEL, Enk te; DELONERO, Gustavo. Sede de uma Fábrica de Blocos. Projetos, São Paulo, ano 18, n. 212.05, Vitruvius, ago. 2018 <http://vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/18.212/7073>.

11. FANUCCI, Francisco; FERRAZ, Marcelo. Cais do Sertão. Projetos, São Paulo, ano 18, n. 216.02, Vitruvius, dez. 2018 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/18.216/7193>.

12. XAVIER, Cristina. Vila Taguaí. Projetos, São Paulo, ano 18, n. 205.03, Vitruvius, jan. 2018 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/18.205/6859>.

13. ROCHA, Paulo Mendes; MOREIRA, Marta; BRAGA, Milton; FRANCO, Fernando de Mello. Sesc 24 de Maio. Projetos, São Paulo, ano 18, n. 206.02, Vitruvius, fev. 2018 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/18.206/6886>.

1
DEZZI BARDESCHI, Marco. Nuove risorse: dall’archeologia industriale alla valorizzazione del patrimonio industriale in disuso. In: DEZZI BARDESCHI, Marco. Restauro: due punti e da capo. Milão, FrancoAngeli, 2004, p. 218.

comments

211.01 prêmio tomie ohtake akzo
abstracts
how to quote

languages

original: português

source

share

211

211.02 prêmio tomie ohtake akzo

Casa 711H

211.03 prêmio tomie ohtake akzo

Residência Piracaia

211.04 prêmio tomie ohtake akzo

Vila Amélia

211.05 prêmio tomie ohtake akzo

Casa no Cerrado

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided