Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
A declaração do atual presidente da República sobre a retirada de recursos na formação nas áreas de sociologia e filosofia motivou o escritor Milton Hatoum a divulgar texto sobre os malefícios culturais de tal decisão, baseada no desprezo pela tradição.

how to quote

HATOUM, Milton. Humanismo contra barbárie. Drops, São Paulo, ano 19, n. 139.07, Vitruvius, abr. 2019 <http://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/19.139/7340>.



O ministro da educação citou o Japão como modelo para asfixiar o ensino de humanidades e privilegiar disciplinas das áreas de tecnologia, ciências biológicas e veterinária. Mas, por esquecimento ou má-fé, ele não mencionou os protestos de professores, cientistas e empresários japoneses contra essa “reforma” educacional. Várias universidades japonesas recusaram-se a adotá-la.

O texto abaixo é um trecho da palestra que dei aos calouros da UnB (“Humanismo contra barbárie”, 14 de março de 2019). Por coincidência, cito o caso japonês, que inspirou o atual ministro da educação.

A partir das décadas de 1970 e 1980, as áreas de humanidades no ensino médio e nas Universidades foram fortemente atingidas por governos ultraconservadores no Reino Unido e nos Estados Unidos (Margareth Thatcher e Ronald Reagan) e ditaturas no Brasil e na América do Sul. Há uma tendência de privilegiar o ensino e a pesquisa das áreas científicas e tecnológicas, e de abandonar as humanidades.

Em 2015, o primeiro ministro do Japão anunciou uma reforma do ensino universitário, em que pretendia abolir os departamentos de ciências humanas, letras, artes e pedagogia (formação de professores). O ministro da educação pediu aos reitores que orientassem os jovens de 18 anos a escolher áreas de estudo altamente úteis à demanda da sociedade. Pelo menos quatro grandes universidades japonesas se recusaram a implantar essa reforma. O “Conselho de Ciências” do Japão, que reúne mais de 2 mil pesquisadores e cientistas, expressou sua profunda inquietação com a reforma, e ressaltou “o papel essencial e único das ciências humanas para a comparação crítica e a reflexão sobre a maneira que os seres humanos e a sociedade se relacionam. Todo e qualquer rebaixamento das ciências humanas e sociais levaria a uma perda da riqueza do ensino superior japonês”.

Surpreendentemente, a recusa não veio apenas do mundo acadêmico. A Keidaren (Federação do patronato japonês, muito mais poderosa e esclarecida que a Fiesp e a Fierj juntas) criticou a reforma e declarou “esperar que os estudantes e jovens diplomados possam resolver problemas com ideias que englobam diversas áreas das ciências humanas”.

A justificativa econômica para excluir as disciplinas de humanidades das escolas e universidades é uma farsa. O motivo dessa desfaçatez é ideológico: atrofiar políticas públicas, da qual a formação humanista é um elemento basilar.

No fundo, trata-se de uma junção nefasta, que une o neoliberalismo ultraconservador com uma ideologia retrógrada, amparada por um fundamentalismo religioso. Essa junção é uma premissa da barbárie, e aponta para o colapso do humanismo.

“O núcleo do humanismo”, como diz Edward Said “é a noção secular de que o mundo histórico é feito por homens e mulheres, e não por Deus, e que pode ser compreendido racionalmente. O conhecimento histórico é baseado na capacidade do ser humano de criar conhecimento, em oposição a absorvê-lo de forma passiva, embotada, conformista” (1).

O discurso e as práticas anti-humanistas são também anti-intelectuais, pois pretendem abolir o que o filósofo italiano Gianbattista Vico chamava de “autoconhecimento”: a capacidade de conhecermos melhor o que nós mesmos fazemos e formamos – a História.

E o autoconhecimento é, ou deveria ser inseparável da autocrítica, pois ambos são essenciais para a formação humanista. As disciplinas de humanidades no ensino médio e na Universidade permitem aos jovens o autoconhecimento e a autocrítica, e estimulam a reflexão sobre a sociedade e o processo histórico, e não apenas brasileiros. A leitura de um bom livro sobre a escravidão dá aos jovens a compreensão das iniquidades do país.

Tudo isso fala diretamente da formação educacional e da construção de uma sensibilidade em relação aos outros. A literatura, a história, a filosofia e a sociologia ocupam um lugar central nessa formação.

nota

1
SAID, Edward. Humanismo e crítica democrática. Tradução Rosaura Eichenberg. São Paulo, Companhia das Letras, 2007, p. 29.

sobre o autor

Milton Hatoum, arquiteto formado na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAU USP, é escritor, autor de um Relato de um certo Oriente, Dois Irmãos, Cinzas do Norte e Órfãos do Eldorado e diversos outros livros, ganhadores do Jabuti e outros prêmios importantes.

Platão e Aristóteles na Escola de Atenas (detalhe), Rafael Sanzio, 1509-1511
Foto divulgação [Wikimedia Commons]

 

comments

139.07 cultura
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

139

139.01 política

Sobre o tal vídeo do Planalto

Torturas, assassinatos, corrupção e outros retrocessos da ditadura

Elenara Stein Leitão

139.02 exposição

Seriações na obra de Marco do Valle

Exposição aborda trajetória do artista plástico

Sylvia Furegatti

139.03 direito autoral

O caso da loja Forma sob a ótica jurídica

Sobre o direito de fazer modificações na obra arquitetônica

José Roberto Fernandes Castilho

139.04 violência

Não culpe o guarda da esquina

No faroeste caboclo balas furam corpos negros e pobres

Carlos A. Ferreira Martins

139.05 patrimônio

Repúdio ao decreto que altera composição dos membros do Condephaat

Carta aberta

Docentes das Universidades Públicas Paulistas DUPP

139.06 política educacional

Por que destruir as universidades públicas?

Carlos A. Ferreira Martins

139.08 educação

Destruição em marcha acelerada

Universidade em risco – parte 1

Carlos A. Ferreira Martins

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided