Seu navegador está desatualizado.

Para experimentar uma navegação mais interessante, recomendamos que você o atualize clicando em um dos links ao lado.
Todos são gratuitos e fáceis de instalar.

 
  • em vitruvius
    • em revistas
    • em jornal
  • \/
  •  

pesquisa

revistas

drops ISSN 2175-6716

sinopses

português
Carlos A. Ferreira Martins, professor titular do IAU USP São Carlos, comenta que as universidades estaduais paulistas e as universidades federais, que somam de 85% da produção científica do país, estão abandonadas.

como citar

MARTINS, Carlos A. Ferreira. Por que destruir as universidades públicas? Drops, São Paulo, ano 19, n. 139.06, Vitruvius, abr. 2019 <http://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/19.139/7335>.



Afora a tribo dos terraplanistas, é um consenso universal que o papel de cada país na economia internacional das próximas décadas será determinado pelo seu investimento em educação, ciência, tecnologia e inovação.

Mas os novos governantes parecem acreditar no contrário. Para as “otoridades” brasileiras que, como se tem visto, mal podem ser consideradas alfabetizadas, a educação e a pesquisa são inimigas a combater.

O caso do Ministério de Educação pareceria uma novela mexicana, com brigas, xingamentos e traições entre militares, discípulos de malucos e simples incompetentes, se não fosse um programa intencional de destruição.

O bolsonarismo já nem tenta esconder que seu objetivo é destruir as  universidades públicas para entregar de vez o ensino superior aos grandes grupos internacionais que já dominam o ensino privado no país.

Para isso, promove cortes de orçamento, escolha ideológica de reitores, ameaças policiais às atividades universitárias e todo o espectro de truculência em que o Brasil vai se convertendo.

Agora os paulistas trouxeram sua notável contribuição ao concurso de bizarrice nacional. Para evitar uma Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI que deveria apurar como, por que e para quem Paulo Preto juntou 130 milhões de dólares de propinas em contas na Suíça, os nobres deputados criaram outra para investigar ... as universidades estaduais paulistas!

Como nunca se soube que que alguma delas tivesse contas em bancos suíços ou paraísos fiscais, fica a suspeita de que, além de tirar o foco do operador financeiro do tucanato, busca-se algum pretexto para romper o acordo de autonomia financeira das universidades, estabelecido desde a década de oitenta.

Entre as estaduais paulistas e as universidades federais, estamos falando de 85% da produção científica do país. É isso que está em acelerado processo de destruição.

E a pergunta que não se pode mais calar é: por quê?

sobre o autor

Carlos A. Ferreira Martins é professor titular do IAU USP São Carlos e não tem conta na Suíça.

 

comentários

139.06 política educacional
sinopses
como citar

idiomas

original: português

compartilhe

139

139.01 política

Sobre o tal vídeo do Planalto

Torturas, assassinatos, corrupção e outros retrocessos da ditadura

Elenara Stein Leitão

139.02 exposição

Seriações na obra de Marco do Valle

Exposição aborda trajetória do artista plástico

Sylvia Furegatti

139.03 direito autoral

O caso da loja Forma sob a ótica jurídica

Sobre o direito de fazer modificações na obra arquitetônica

José Roberto Fernandes Castilho

139.04 violência

Não culpe o guarda da esquina

No faroeste caboclo balas furam corpos negros e pobres

Carlos A. Ferreira Martins

139.05 patrimônio

Repúdio ao decreto que altera composição dos membros do Condephaat

Carta aberta

Docentes das Universidades Públicas Paulistas DUPP

139.07 cultura

Humanismo contra barbárie

Milton Hatoum

139.08 educação

Destruição em marcha acelerada

Universidade em risco – parte 1

Carlos A. Ferreira Martins

jornal


© 2000–2019 Vitruvius
Todos os direitos reservados

As informações são sempre responsabilidade da fonte citada