Seu navegador está desatualizado.

Para experimentar uma navegação mais interessante, recomendamos que você o atualize clicando em um dos links ao lado.
Todos são gratuitos e fáceis de instalar.

 
  • em vitruvius
    • em revistas
    • em jornal
  • \/
  •  

pesquisa

revistas

drops ISSN 2175-6716

sinopses

português
Usando como mote a recente declaração de ministra de Estado sobre o uso de cores por meninos e meninas, Ethel Leon faz divertidos comentários sobre o uso histórico-cultural de cores na tradição cultural.

como citar

LEON, Ethel. Nossa Senhora veste azul, Dante Alighieri veste rosa. A arbitrariedade cultural no uso das cores. Drops, São Paulo, ano 19, n. 136.01, Vitruvius, jan. 2019 <http://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/19.136/7213>.



Se estivéssemos bem longe dos assombros a que estamos assistindo, tenho certeza de que riríamos um bocado. Meninas devem vestir rosa e meninos azul! Desde quando?

Mais ou menos desde 1930, tempos da Depressão e da ascensão do marketing, quando se estabeleceu essa distinção. Mas o rosa (Barbie, chiclete, colo do útero) nem sempre foi considerado uma cor, mas sim uma sub-cor do vermelho, espécie de tonalidade do rubro.

Sim, esse mesmo rubro que nos define em nome, Brasil, do pau-brasil, o corante valioso responsável por parte da atividade mercantil que se formou nas viagens do Atlântico sul.

Antes do final do século 18, o rosa era presente em vestimentas masculinas, associada ao sangue e à guerra. Exemplos não faltam de pinturas de heróis guerreiros, e mesmo de Jesus Cristo e de Dante Alighieri, aquele que cantou Beatriz com tanto louvor. O poeta florentino ora é representado de vermelho, ora com vestimentas cor de rosa.

O romantismo “autonomizou” o rosa, associado, a partir de então, a ternura e a outros sentimentos menos guerreiros.

E os mantos azuis que coloriram tantas pinturas da Virgem?

Acabo de pensar em novo capítulo de meu curso de história das cores, obrigada, ministra.

Uma dúvida: mulheres podem ministrar?

sobre a autora

Ethel Leon é jornalista, pesquisadora, professora na área de história do design brasileiro e autora dos livros Memórias do design brasileiro, IAC – Primeira Escola de Design do Brasil, Michel Arnoult, design e utopia – móveis em série para todos e Design brasileiro – quem fez, quem faz.

Ilustração medieval de Jesus expulsando o demônio impuro Gerasene
Foto divulgação [Wikimedia Commons]

Giovanni Bellini, Madona e a criança, c.1480
Foto divulgação [Rogers Fund, 1908]

 

comentários

jornal


© 2000–2019 Vitruvius
Todos os direitos reservados

As informações são sempre responsabilidade da fonte citada