Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Varanasi, Rio Ganges, Índia. Foto Victor Hugo Mori

abstracts

português
A sinalização turística para pedestres realizada para o conjunto urbanístico e arquitetônico da Pampulha traz dezenas de placas coloridas que ajudam os visitantes a encontrar os destinos turísticos.


how to quote

ANDRADE, Ulisses Morato de. Conjunto urbanístico e arquitetônico da Pampulha. Sinalização turística para pedestres. Arquiteturismo, São Paulo, ano 07, n. 080.05, Vitruvius, out. 2013 <http://pop.www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/07.080/4937>.


Parafraseando um ilustre filho das Gerais, João Guimarães Rosa, Pampulha são muitas. Sim, Oscar Niemeyer imprimiu indelével marca a essa porção da cidade, que já nos idos dos anos 1940 se via banhada por águas mansas. Seus traços colocaram a cidade de Belo Horizonte no epicentro da renovação modernista global. Com tanta vultuosidade, a obra do ilustre carioca, costumeiramente, ofusca as outras riquezas daquelas paragens. Todavia, desanuviando o olhar, percebemos que, antes e depois do nosso grande mestre das coisas arquitetônicas por aqui deixar algumas de suas obras primas, múltiplas paisagens compõem o cenário desse nosso cartão postal. Paisagens também merecedoras da atenção dos filhos da terra e dos inúmeros viajores que por ali passam diariamente.

Sinalização turística para pedestres, conjunto urbanístico e arquitetônico da Pampulha

Falar aos transeuntes sobre esse lugar de múltiplas camadas históricas foi o desafio levantado pela nossa equipe de trabalho e pela municipalidade. Incumbidos de criar um novo sistema de sinalização turística interpretativa para o Conjunto Urbanístico e Arquitetônico da Pampulha, vislumbramos, precisamente na sua pluralidade urbanística, o potencial informativo a se explorar. A tarefa, então, se pautou nessa premissa: consolidar e ampliar o leque de percepção e informação desse exuberante polo turístico e cultural da capital mineira. Trabalho de fôlego e ao mesmo tempo delicado, posto que, permeando tudo, estamos diante de uma área tombada pelo IPHAN, pelo IEPHA e pelo Patrimônio Municipal.

Caminhando na direção da premissa estabelecida para a tarefa interpretativa, buscamos descortinar outras “Pampulhas”. Além de flanar nos largos das obras criadas por Niemeyer, Burle Marx, Cândido Portinari, Alfredo Cheschiatti, entre outros – que a exemplo do nosso Aleijadinho, se revestem com força de amálgama da identidade cultural brasileira – apontamos as bifurcações necessárias. Direcionamos os olhares para as residências pioneiras, para as construções contemporâneas, para a formação dos seus bairros, para a caracterização dos seus parques e praças públicas, para a diversidade natural, e para a imensa quantidade de obras de arte integradas a estes espaços.

Sinalização turística para pedestres, conjunto urbanístico e arquitetônico da Pampulha
Foto Ulisses Morato de Andrade

Consoante ao seu inerente caráter público, o novo sistema de comunicação, literalmente, se apresenta como um livro aberto na urbanidade. A região da Pampulha passa a ser o mais amplo lugar da cidade a versar, ao ar livre, sobre arquitetura, urbanismo, paisagismo e artes plásticas.

Neste “livro”, um capítulo especial foi dedicado à arquitetura mineira, erguida nessas glebas por várias gerações, alinhadas ou não ao modernismo arraigado. Construções desenhadas por João Diniz, Gustavo Penna, Álvaro Hardy, Mariza Machado Coelho, Arquitetos Associados, BCMF Arquitetos, Éolo Maia, William Ramos Abdala e Eduardo Mendes Guimarães receberem as letras oriundas do intenso trabalho de pesquisa histórica, grafadas nos objetos que agora as distinguem.

A linguagem adotada no design das placas não hesita em se anunciar e tem inspiração formal em outro mineiro de porte: Amílcar de Castro, que possui vigorosa escultura em aço ancorada nas margens do lago, nas proximidades do antigo Cassino. Os cheios e vazados das placas exploram o caráter escultórico e criam um jogo de “ver entre” esses elementos, que também passam a marcar a paisagem do lugar com a pujança dos seus materiais, formas e cores. Acreditamos que tal concepção de design estabelece a necessária integração visual ao meio e às obras sinalizadas, e, ao mesmo tempo, cumpre a premência comunicativa de um sistema de tal monta.

Composta por um conjunto de 68 placas direcionais e interpretativas – com textos integralmente traduzidos para o inglês e o espanhol – a nova sinalização apresenta aos visitantes e moradores os principais atributos históricos, urbanísticos e paisagísticos dos monumentos e lugares públicos da orla e seus arredores, além de costurar sua inserção na cidade.

Explorar a lagoa numa única caminhada é uma tarefa de suor, são aproximadamente 18 quilômetros! Para facilitar essa empreitada criamos 06 rotas de visitação distribuídas ao longo da orla, conforme seu posicionamento geográfico. Cada uma delas possui um monumento preponderante e uma cor específica estampada nos elementos de sinalização e mapas acessórios. As cores, vibrantes, foram definidas por meio de programa computacional que extrai os tons dominantes da paisagem típica em horário de lusco-fusco e gera seus contrastes para uma melhor visualização em qualquer horário do dia.

Sinalização turística para pedestres, conjunto urbanístico e arquitetônico da Pampulha
Foto Ulisses Morato de Andrade

Já que estamos tratando de comunicação, e a internet?! Está lá! A conexão digital foi incorporada à interface usuário – objeto sinalizador. A maioria das placas está equipada com o sistema de código de barras (QR Code), que possibilita ao andarilho acesso a conteúdo multimídia através de dispositivos móveis.

Por fim, já se disse que a informação abre caminhos para a fruição! Nada mais oportuno em tempos de tão escassa educação patrimonial. Esta obra na Pampulha oferece aos visitantes novos canais de percepção e conhecimento deste patrimônio cultural de Belo Horizonte, despertando assim, corações e mentes para o cuidado e para a preservação.

sobre o autor

Ulisses Morato de Andrade é arquiteto (Centro Universitário Metodista de Minas Gerais, 1992), com pós-graduação em Tecnologia e Produtividade na Construção Civil (UFMG, 2008). Desde 1992 dirige a Morato Arquitetura, escritório que atua em projetos de arquitetura, arquitetura, design, urbanismo e patrimônio. Atualmente é Diretor de Projetos Especiais do Departamento de Minas Gerais do Instituto de Arquitetos do Brasil, IAB-MG, e membro titular do Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural de Belo Horizonte.

ficha técnica

coordenação geral | concepção | programação | design de placas
Ulisses Morato de Andrade / Arquiteto e Urbanista, especialista em Tecnologia e Produtividade na Construção, UFMG

concepção (colaboração) | programação | pesquisa e redação dos textos interpretativos
Luiz Mauro do Carmo Passos / Arquiteto e Urbanista, Mestre em História, UFMG

design gráfico
Luiz Gonçalves Campos / Bacharel em Design, Mestre em Comunicação Social, UNIPAC

revisão de textos – lingua portuguesa
Luiz Antônio dos Prazeres / Licenciatura em Letras, Mestre em Linguistica, UFOP / Doutor em Lingüística, UFF

tradução inglês
Margaret Malia Spofford Xavier / Doutora Phd em Letras, Cornell University, Nova Iorque – EUA
Leina Claudia Viana Juca / Mestre em Linguística Aplicada ao Ensino de Línguas Estrangeiras – UFMG

tradução espanhol
Eduardo Tadeu Roque Amaral / Licenciatura em Letras, Mestre em Estudos Linguísticos e Doutor em Letras, UFMG

colaboração
Lilian Peres Santos – Arquiteta / Ana Luisa Occhi – Estagiária de arquitetura

contratantes
Belotur | Comitê Municipal da Copa | Secretaria de Estado Extraordinária para a Copa do Mundo – SECOPA

fabricação e instalação
Plakas

comments

080.05 projeto turístico
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

080

080.01 exposição

Mais de mil brinquedos para a criança brasileira

Caio Guerra

080.02 ensaio fotográfico

Fachadas

Daniel Ducci

080.03 viagem de estudo

Botânica e arquitetura

Christiane Lisboa

080.04 arquiteturismo em questão

Desenho urbano contemporâneo em contextos de preservação

José Júlio Rodrigues Vieira and José Marcos Rodrigues Vieira Filho

080.06 jogo dos 7 erros

Onde está o filho do Anhanguera?

Victor Hugo Mori

080.07 viagem de estudo

Budapest, Hungria

Fabio Jose Martins de Lima

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided